Sem ramo saúde, mercado cresceu 12,3% em 2005

19/01/2006

Estimativa feita pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) indica que o mercado fechou 2005 com um faturamento da ordem de R$ 42,1 bilhões, sem contar o seguro saúde, atualmente sob a jurisdição da Agência Nacional de Saúde Suplementar. Esse valor é 12,3% superior ao apurado em 2004.

De acordo com a projeção da autarquia, daquele total, mais da metade (55,2%) foi gerada por apenas duas modalidades, sendo que o seguro de automóveis abocanhou uma fatia correspondente a 27,9% do bolo. Já para o Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL) coube outros 27,4%.

O seguro de vida, sem contar o VGBL, ficou com uma participação de 13,3%, enquanto os demais ramos, juntos, contribuíram com apenas 31,5%.

Já o faturamento do setor de previdência aberta, englobando as receitas apuradas com as vendas do VGBL, dos Planos Geradores de Benefícios Livres (PGBLs) e dos produtos tradicionais somou R$ 19 bilhões no ano passado.

Fonte: Centro de Qualificação do Corretor de Seguros