FGV indica que clima econômico na América Latina é o pior desde 2009

19/08/2014

 Queda foi provocada pelo índice da posição atual e o de perspectivas. Brasil registrou pior em todos os indicadores e o ICE recuou 22%.

 
O indicador que aponta o clima econômico da América Latina, nomeado de ICE, teve uma queda de 90 para 84 pontos entre abril e julho, chegando ao menor nível desde julho de 2009, de acordo com estudo realizado em parceria entre o Instituto alemão lfo  e a Fundação Getúlio Vargas (FGV).
 
Essa queda teve influência da evolução do Índice da Situação Atual (ISA), que caiu de 82 para 72 pontos, o nível mais baixo desde outubro de 2009. O Índice de Expectativas (IE), que também está presente no cálculo do ICE, ficou estável, com uma mutação de 98 para 96 pontos. Segundo a FGV, a queda do ICE da América Latina não tem ligamento com o humor da economia internacional. O ICE agregado mundial alavancou 3% entre abril e julho, induzido por melhores análises em relação às economias dos Estados Unidos e da Ásia.
 
O Brasil apresentou piora em todos os indicadores e o ICE recuou 22% entre abril e julho. Segundo a FGV, apenas Bolívia e Colômbia registraram melhora nas avaliações sobre a situação atual, de 58% e 11%, respectivamente, entre julho de 2013 e 2014. Nesse mesmo eixo, houve piora de 61% e de 36% para a Argentina e o Brasil. O IE sugere que o ambiente não é positivo para grande parte dos países latinos até o final do ano. 

Fonte: G1