Empréstimo Consignado movimentou R$ 591 milhões em março

03/05/2006

A Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev) fechou os números do empréstimo consignado para aposentados e pensionistas do INSS no mês de março e o acumulado desde que o serviço passou a ser oferecido, em maio de 2004. Foram realizadas no mês passado 486 mil novas operações, elevando em R$ 591,2 milhões o total de empréstimos já concedidos.

No mês passado, os empréstimos totalizaram R$ 13,3 bilhões, registrando um crescimento de 4,66% sobre fevereiro, quando o acumulado era de R$ 12,7 bilhões. Em relação ao mesmo mês do ano passado, quando já haviam sido emprestados R$ 4,3 bilhões, o crescimento foi de 211%.

O número de operações acumuladas até março foi de 8,2 milhões, 6,3% a mais que em fevereiro, quando existiam 7,7 milhões de contratos acumulados. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, o crescimento foi de 387%. Em março de 2005 havia 1,7 milhão de contratos de empréstimos para aposentados e pensionistas.

Do total de operações realizadas desde que o INSS passou a permitir o empréstimo consignado com desconto em folha, 6,8 milhões ainda estavam ativas no final de março, totalizando R$ 12,3 bilhões. Isso quer dizer que 1,1 milhão de operações haviam sido totalmente pagas até o final do mês passado, representando R$ 279 milhões.

Dos 19 milhões de aposentados e pensionistas do Regime Geral da Previdência Social, cinco milhões e duzentos mil já recorreram aos bancos para tomar empréstimos com descontos mensais nos seus benefícios. Como ocorre de um aposentado fazer mais de uma operação, a quantidade de créditos já liberados (8,2 milhões) é bem maior do que o número de aposentados atendidos.

A diferença pode explicar também o crescimento mais acelerado no número de créditos do que nos valores emprestados (387% contra 211%), na comparação com o mês de março do ano passado. Ao fazer o primeiro empréstimo, o aposentado ou pensionista reduz sua margem consignável. Por determinação do INSS, as prestações não podem exceder 30% do valor do benefício, mesmo que haja mais de uma operação.

A maioria dos aposentados e pensionistas continua preferindo parcelar seus empréstimos por um prazo que vai de 31 a 36 parcelas. São 4,6 milhões de contratos nesta categoria, que representam 56,15% do total. Desde o final de setembro do ano passado o parcelamento está limitado a 36 meses, mas ainda existem nos sistemas da Dataprev 371.793 (4,52%) contratos com prazos que vão de 37 a 60 meses, feitos antes da nova resolução.

Por faixa salarial, em 51,73% das operações ainda ativas, os titulares dos benefícios recebem até um salário mínimo por mês. São 3,5 milhões de contratos. Na faixa entre um e dois salários mínimos, outros 980 mil contratos ainda estão ativos (14,46% do total).

Fonte: Ministério da Previdência Social