Cartão BNDES registra aumento de 277% nos financiamentos de empresas do setor de moda

13/01/2009
Rio de Janeiro - As micro, pequenas e médias empresas do setor de moda estão entre as que mais se destacaram no desembolso de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no ano passado. Elas realizaram 2.185 operações no valor de R$ 29,1 milhões, contra 635 operações em 2007, que somaram R$ 7,7 milhões. Um crescimento de 277%. “A indústria da moda é uma indústria muito importante para nós porque é grande geradora de emprego. E o banco tem vários produtos para esse segmento. Entre eles, o Cartão BNDES, para as micro e pequenas empresas”, disse o chefe interino do departamento de Políticas de Comunicação do BNDES, Sérgio Carijó. Segundo Sérgio Carijó, o Cartão BNDES foi o principal instrumento usado pelos empresários do setor na compra de insumos e equipamentos utilizados na indústria de confecção. O cartão é uma linha de crédito rotativo, pré-aprovado, para compra, pela internet, de máquinas e insumos que disponibiliza, no momento, mais de 100 mil produtos. A linha de financiamento tem limite de até R$ 250 mil por cartão emitido e taxa de juros atual de 1,13% ao mês. O pagamento é feito em até 36 parcelas fixas. Ele revelou que o banco possui ainda outras linhas de financiamento para a indústria têxtil e de confecção, que incluem o BNDES Automático, Finame e linhas de crédito para exportação. De acordo com informação da assessoria de imprensa do BNDES, os desembolsos destinados à produção têxtil somaram R$ 954 milhões no ano passado. Em 2007, as liberações para o setor alcançaram R$ 301 milhões. Para o segmento de confecção de vestuário e acessórios, os recursos financiados pelo banco totalizaram R$ 394 milhões em 2008, contra R$ 108 milhões no ano anterior. Pelo terceiro ano consecutivo, o BNDES patrocina a bolsa de negócios da moda Fashion Rio, feira de moda que está sendo realizada na Marina da Glória, no Rio de Janeiro. “É uma experiência muito boa para o banco, tanto que já é o terceiro ano de apoio ao Fashion Business”, disse Sérgio Carijó.

Fonte: Agência Brasil