Caixa reduzirá exigências em linha de crédito para capital de giro de construtoras

08/04/2009
Brasília - Na próxima segunda-feira (13), a Caixa Econômica Federal anunciará medidas para reduzir exigências e desburocratizar a linha de crédito de R$ 3 bilhões para o capital de giro das construtoras. A decisão foi informada a empresários que participaram hoje (8) do encontro do Grupo de Acompanhamento da Crise (GAC), que se reúne todo mês para avaliar o impacto da crise financeira internacional sobre a economia brasileira. Segundo o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), Paulo Safady Simão, que estava na reunião, a principal novidade será a redução das garantias. De acordo com ele, as exigências da Caixa, que pede garantias na concessão dos financiamentos e pode até bloquear empreendimentos caso o empréstimo não seja quitado, afastaram as construtoras. “O governo vai anunciar novas normas que permitirão às empresas tomarem dinheiro emprestado. Do jeito que está, não dá para cumprir as exigências”, reclamou Safady ao sair do encontro. Lançada no final de outubro, a linha de crédito, segundo o presidente da Cbic, não emprestou praticamente nada para as construtoras. “Desde novembro, a Caixa só emprestou R$ 50 milhões dos R$ 3 bilhões disponíveis, mas já me informaram que o valor, na verdade, nem chegou a isso”, afirmou. Ao lançar a linha de crédito, o governo prometeu que os bancos privados entrariam com uma contrapartida de R$ 7 bilhões, o que elevaria a R$ 10 bilhões o volume de crédito disponível para capital de giro do setor imobiliário. Safady, no entanto, afirmou que o aporte das instituições privadas está descartado. “Já falei com diversos empresários e eles me disseram que dificilmente o setor privado entrará com alguma ajuda”, afirmou o presidente da Cbic. O anúncio das mudanças na linha de crédito será feito com o detalhamento das regras do programa Minha Casa, Minha Vida, que pretende estimular a construção de até 1 milhão de casas populares. Na segunda-feira, a Caixa também informará como os interessados em aderir ao programa habitacional poderão adquirir os imóveis.

Fonte: Agência Brasil