Diferença entre taxas chega a quase 40%

05/01/2005

Pesquisa do Procon sobre juros bancários mostra que as taxas do empréstimo pessoal e do cheque especial apresentaram pequena queda em 2004, em relação ao ano anterior. A taxa média do empréstimo pessoal ficou em 5,29% ao mês, menos 0,62% ponto porcentual diante da taxa média em 2003, de 5,91% ao mês. Já o cheque especial teve taxa média de 8,02% ao mês, 1,02 ponto porcentual inferior a do ano passado, quando era de 9,04% ao mês.

A diferença entre as taxas cobradas de uma instituição para outra revela que pagou uma quantia significativamente menor aquele consumidor que pôde pesquisar e até trocar de banco na hora de tomar esse tipo de crédito. No cheque especial, a menor taxa encontrada no mercado foi de 7,40% ao mês, e a maior, de 8,26%, uma variação de 11,62%. No empréstimo pessoal, a diferença foi ainda maior: 39,02% entre a menor taxa, de 4,10%, e a maior, de 5,70% ao mês.

Segundo o Procon, o movimento das taxas, no ano, foi de queda, apesar de as variações mês a mês terem sido pequenas. A taxa do empréstimo pessoal caiu mais do que a do cheque, que apresentou longos períodos de estabilidade, como ocorreu com a Selic. Como a taxa do cheque continuou muito alta, o Banco Central observou uma migração daqueles que o utilizavam para o crédito pessoal e o empréstimo com desconto na folha de pagamento.

A pesquisa foi realizada com 11 instituições financeiras no primeiro bimestre do ano e dez a partir de março, quando um dos bancos foi incorporado por outro participante do estudo.

Fonte: TPT Comunicação Ltda.