Setembro foi o melhor mês de toda a série histórica em venda de veículos no país, diz Anfavea

07/10/2009
São Paulo - O mês de setembro foi o melhor de toda a série histórica em termos de vendas de veículos no mercado interno. Segundo a Associação Nacional de Fabricantes de Veículos (Anfavea), no mês passado, as vendas aumentaram 19,6% nas vendas em comparação com as de agosto. Em setembro, foram vendidas 308.718 mil unidades contra 258.129 em agosto. Com relação a setembro do ano passado, o aumento foi de 14,9%. No acumulado do ano, as vendas cresceram 4,2% em comparação com o mesmo período de 2008. De janeiro a setembro deste ano, foram vendidas 2.302.050 ante as 2.208.805 dos nove primeiros meses do ano passado. A produção, no entanto, registrou queda de 6,7%, com 275.305 unidades ante as 295.009 produzidas em agosto. Com relação a setembro do ano passado, quando foram produzidos 300.688 veículos, houve queda de 8,4%. No acumulado do ano, foram produzidas 2.323.648 unidades, contra 2.624.357 no mesmo período do ano passado, queda de 11,5%. Segundo os dados da Anfavea, as exportações também registraram queda em setembro, com 43.084 mil unidades comercializadas para fora do país ante 45.811 no mês anterior (-6,0%). Na comparação com setembro do ano passado (62.109 unidades vendidas), a queda foi de 30,6%. No acumulado do ano, as exportações caíram 42,8%. Em 2009, foram exportadas 326.858 unidades contra 571.834 de janeiro a setembro do ano passado. O presidente da Anfavea, Jackson Schneider, atribuiu a diminuição das exportações ao fato de os mercados importadores estarem comprando menos produtos do Brasil. “O efeito cambial também tem uma relação com a possibilidade de competir, principalmente quando ocorrer o retorno desses mercados”, afirmou. Quanto aos empregos no setor, setembro registrou aumento de 6% no número de postos de trabalho, com 121.240 vagas no setor contra 120.548 no mês anterior. Na comparação com setembro do ano passado, quando havia 131.159 postos de trabalho, houve queda de 7,6%. “Estamos otimistas com relação ao emprego, porque, pelo terceiro mês consecutivo, vimos uma recuperação do nível de emprego. Estamos contratando mais pessoas, e isso deve permanecer. Nos próximos meses eu acredito que todo mês vamos apresentar crescimento no emprego”. Com o fim do desconto do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na compra de carros novos, cada empresa decidirá se os preços aumentam ou permanecem como estão. Schneider destacou que as promoções das montadoras continuam em outubro para incentivar o consumidor a adquirir seu carro. “Algumas empresas e concessionárias estão mantendo a redução para o consumidor. É claro que tem um efeito de pressão de custo. A carga tributária do automóvel aumentou, e isso tem uma pressão de custo. Quando e como ela vai ser repassada vai ser uma decisão tomada por cada empresa e deve acontecer daqui para frente”, acrescentou. A Anfavea prevê que 2009 feche com 3.050 milhões de novos veículos produzidos, o que representa queda de 5,2% em relação ao ano anterior. As exportações devem cair 40%, com 440 mil unidades vendidas. No mercado interno, as vendas devem registrar elevação de 6,4%, com 3 milhões de novas unidades vendidas. “Estamos muito positivos com relação ao comportamento da economia de um modo geral e como ela vai refletir nas vendas de veículos. Nossas perspectivas são positivas para o fim de 2009 e para o ano de 2010”, concluiu Schneider. Edição: Nádia Franco

Fonte: Agência Brasil / Repórter: Flávia Albuquerque