Brasil e África do Sul firmam acordo para venda de carne suína

12/11/2009
Johanesburgo (África do Sul) - Os governos da África do Sul e do Brasil firmaram hoje (12), em Johanesburgo, um acordo de fast track (de negociações rápidas) para tentar solucionar problemas comerciais que travavam exportações e importações de mercadorias dos países. Um dos principais entraves envolve a venda de carne de porco brasileira que sofre com as restrições impostas pelo governo sul-africano. Os sul-africanos alegam questões fitossanitárias para vetar a entrada de carne de porco do Brasil. Mas, as autoridades brasileiras afirmam que o produto obedece a todas as regras internacionais e não há razões para a proibição. Os ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, e do Comércio e Indústria da África do Sul, Rob Davies, reiteraram hoje que há intenções de buscar solução para a exportação da carne suína e encerrar a controvérsia. Davies afirmou que no começo de 2010 um representante do Ministério da Agricultura da África do Sul irá ao Brasil para negociar um acordo para a exportação da carne suína brasileira. Para Jorge, até fevereiro essa e outras questões estarão solucionadas. Aos 98 empresários brasileiros, que estão em missão ao Sul da África, Davies recomendou que os brasileiros invistam em áreas complementares às locais e não concorrentes às que atuam os sul-africanos. “Não queremos destruir capacidades, mas complementá-las”, afirmou o ministro sul-africano. De janeiro a outubro deste ano, o comércio entre Brasil e África do Sul foi de US$ 1,4 bilhão – abaixo dos US$ 2,1 bilhões registrados no mesmo período de 2008. Para a África do Sul, o Brasil vende principalmente carne de frango, chassis, motores de veículos, carrocerias, açúcar refinado e autopeças, dentre outros. Da África do Sul foram comprados um total de US$ 349 milhões, no mesmo período. Os principais produtos comprados dos sul-africanos são hulhas, motores para veículos automóveis, ferro-ligas e produtos laminados planos de ferro ou aços. De acordo com o ministro, o objetivo da viagem é incentivar a ampliação o comércio e os investimentos bilaterais, explorando possibilidades de cooperação entre os setores produtivos do Brasil com esses países. A África do Sul é a última escala da missão empresarial, liderada por Miguel Jorge, iniciada no último domingo (8). A viagem começou por Angola e depois continuou em Moçambique. É a terceira vez no ano que o ministro comanda uma missão de empresários à África. Em janeiro, uma missão de empresários visitou Marrocos, Líbia, Argélia e Tunísia. Cinco meses depois, em junho, uma delegação brasileira esteve em Gana, Senegal, Nigéria e Guiné Equatorial. *A repórter viajou a convite do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior / Edição: Talita Cavalcante

Fonte: Agência Brasil / Repórter: Renata Giraldi*