Índice que reajusta aluguel sobe 1,10% na segunda prévia do mês

19/02/2010
Rio de Janeiro - A segunda prévia do mês de fevereiro do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), que serve de base para os reajustes de contratos de aluguel, teve alta de 1,10%. O índice é calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado, apresentado hoje (19), ficou acima do registrado no mesmo período de janeiro, quando a taxa ficou em 0,51%. No ano, o IGP-M acumula aumento de 1,74% e em 12 meses, de 0,17%. De acordo com o levantamento, entre os três componentes do índice global, foram verificadas altas no Índice de Preços por Atacado (IPA) e no Índice de Preços ao Consumidor (IPC). O IPA subiu de 0,44%, no segundo decêndio de janeiro, para 1,34%, nesta leitura. O movimento foi influenciado pelos bens finais (de 0,72% para 1,92%), com a alta nos preços dos alimentos processados (de 2,02% para 4,36%); pelos bens intermediários (de 0,36% para 1,44%), com a contribuição de materiais e componentes para a manufatura (de 0,38% para 2,10%); e pelas matérias-primas brutas (de 0,15% para 0,28%). Neste último caso, as principais pressões partiram da laranja (de 0,41% para 37,20%), cana-de-açúcar (de 1,93% para 4,48%), e do leite in natura (de –2,31% para 1,16%). O IPC sofreu elevação de 0,74% para 0,80%. As cinco classes de despesas que o compõem tiveram aumentos em suas taxas. A maior contribuição partiu de transportes (de 1,53% para 2,47%), com a influência de ônibus urbano (de 2,79% para 4,52%). Também subiram com mais intensidade os preços de habitação (de 0,23% para 0,29%), educação, leitura e recreação (de 0,85% para 0,97%), despesas diversas (de 0,18% para 0,37%) e saúde e cuidados pessoais (de 0,28% para 0,30%). Os itens que mais contribuíram para o avanço das taxas desses grupos foram: empregados domésticos (de 0,79% para 1,66%), cursos formais (de 1,63% para 2,10%), alimento para animais domésticos (de -0,35% para 0,93%) e serviços de cuidados pessoais (de 0,27% para 0,53%). Por outro lado, subiram com menos força ou tiveram deflação os grupos: alimentação (de 1,19% para 0,93%) e vestuário (de 0,77% para 0,23%). Último componente do IGP-M, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) apresentou, na segunda prévia de fevereiro, taxa de 0,39%, ante 0,40%, no mesmo período do mês anterior. A taxa do índice relativo a materiais, equipamentos e serviços passou de 0,36%, em janeiro, para 0,48%, em fevereiro. O índice que capta o custo da mão de obra variou 0,28%, em fevereiro, após elevação de 0,44%, na apuração referente ao mesmo período do mês anterior. Para calcular a segunda prévia do IGP-M de fevereiro foram coletados preços no período entre 21 de janeiro e 10 de fevereiro. Edição: Juliana Andrade

Fonte: Agência Brasil / Repórter: Thais Leitão