Confiança leva mais pessoas ao consumo

04/04/2005

Estudo do IBGE mostra que o comportamento do consumidor brasileiro teve destaque na composição do PIB em 2004. Da expansão do PIB em 5,2% no ano passado, nada menos do que 4,1% vieram da demanda interna, e 1,1%, da demanda externa. Mais do que por aumento de renda ou do nível de emprego, o quadro se deu pela elevação da confiança do consumidor que, otimista, atreveu-se a contratar financiamentos de longo prazo. Em 2003, a demanda interna havia caído 1,1% e a externa, crescido 1,6%, levando ao resultado de 0,5%.

Para este ano, a previsão de crescimento do PIB é de 4% e a demanda interna deverá repetir o papel preponderante na composição. Por isso, quem concede crédito deverá ficar de olho nos índices de confiança do consumidor e quem toma o financiamento terá de pesquisar bastante para pegar taxas mais baixas – inclusive para substituir eventuais dívidas antigas.

Emprego – Embora dê sinais positivos modestos, é fato que o emprego vem se recuperando. Em fevereiro, a mão-de-obra com carteira assinada cresceu 0,30% ante janeiro, um acréscimo de 73,3 mil postos, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.

O saldo positivo deve-se, principalmente, ao desempenho dos setores de comércio e serviços. A indústria mostrou resultados piores do que no ano passado: no primeiro bimestre deste ano foram criados 33,7 mil postos de trabalho, menos da metade do verificado no mesmo período de 2004, quando foram gerados 74,2 mil.

Esses cenários favoráveis levam as pessoas a assumir compromissos de maior prazo e isso implica, invariavelmente, pagamento de juros. Por isso, com a retomada da confiança e do crescimento, mais do que nunca planejar e pesquisar devem fazer parte das decisões de consumo.

Dentre essas decisões estão a escolha das melhores taxas de juros, a troca de eventuais dívidas caras, como cheque especial e cartão de crédito, por outras com juros mais baixos - crédito pessoal, por exemplo - e a comparação de preços dos produtos à vista e a prazo.

Fonte: TPT Comunicação Ltda.