Banco Central prevê crescimento de 4,5% para o PIB de 2011

06/01/2011

O Banco Central informou na quarta-feira, 22 de dezembro de 2010, por meio do relatório de inflação do quarto trimestre deste ano, que a sua previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para o ano de 2011 é de 4,5%.
Com isso, o BC está em linha com a estimativa do mercado financeiro, que prevê expansão de igual valor para o próximo ano, mas a expectativa da instituição está abaixo do que consta no orçamento federal de 2011 - que estima 5,5% de expansão.
A instituição acrescentou que pode ser observada, entretanto, a continuidade no ritmo de crescimento das vendas do comércio, impulsionadas pelo nível de confiança dos consumidores, pelo desempenho do mercado de trabalho e pela ampliação do crédito, enfatizando-se a relevância do comércio externo (crescimento das importações) como elemento de ajuste entre oferta e demanda agregadas (impedindo um crescimento maior da inflação). Ainda no âmbito interno, diz o BC, os gastos com investimento continuam a apresentar taxas de crescimento "robustas".
Segundo a expectativa da autoridade monetária, a agropecuária deverá se expandir 7,5% neste ano, mas, em 2011, a taxa de crescimento deve ser de apenas 0,5%.
A indústria, por sua vez, deverá crescer 10,2% neste ano e 5,4% em 2011. A indústria extrativa mineral deverá registrar uma forte expansão de 14,6% em 2010 e de 7,8% no próximo ano, enquanto a indústria de transformação deverá avançar 9,8% em 2010 e 4,9% em 2011. A previsão de crescimento da construção civil é de 11,5% para este ano e de 6,6% para 2011.
Para o setor de serviços, a expectativa do Banco Central é de um crescimento de 5,4% neste ano e de 4,2% para 2011 - sendo 10,3% a taxa de crescimento do comércio em 2010 e de 5% no ano que vem. Já os serviços de informação, intermediação financeira, seguros e previdência complementar, devem avançar 4,1% em 2010 e 7,9% no próximo ano.
As exportações e as importações de bens e serviços deverão aumentar, respectivamente, 8,3% e 11,9%, em 2011, segundo o Banco Central. Essa trajetória, diz o BC, embora implique em contribuição negativa de 0,4 pontos percentual do setor externo para o PIB em 2011, constitui-se em "fator relevante para o equilíbrio entre oferta e demanda agregada”, ou seja, para o controle da inflação.
Pela ótica da demanda, a estimativa para o consumo das famílias foi estimada em 6,8% para este ano e em 4,8% para 2011. A previsão do BC para o consumo do governo é de 3,9% de crescimento para 2010 e de 2,4% de expansão para o ano que vem. Sobre os investimentos, a previsão de crescimento do BC para 2010 é de 20,9% para este ano e de 7,4% para 2011.

Fonte: G1 / Repórter: Alexandro Martello