Captação da previdência complementar cresce 20% em junho

11/08/2005

O volume de contribuições ao sistema de previdência complementar voltou a crescer em junho, chegando a R$ 1,6 bilhão. O valor equivale a uma alta de 20% na comparação com maio, quando foi captado R$ 1,3 bilhão. Em relação ao mesmo período de 2004, quando o volume de novas contribuições totalizou R$ 1,4 bilhão, a alta é de 10%. Os dados são da Anapp (Associação Nacional da Previdência Privada).

O VGBL foi o principal responsável pelo bom desempenho do mês, com um volume de captação de R$ 964,8 milhões, uma alta de 37,85% na comparação com maio, quando a captação do produto atingiu a marca de R$ 699,8 milhões. Essa é a maior captação de VGBL registrada na história do produto, excetuando os meses de dezembro, quando geralmente as seguradoras promovem campanhas para aumentar as contribuições. Na comparação com junho de 2004, quando o sistema captou R$ 729,6 milhões em VGBL, o crescimento foi de 32,22%.

O volume de captação do PGBL foi de R$ 340,1 milhões, o que representou uma alta de 6% na comparação mensal. No entanto, este volume ainda é 18,67% inferior ao registrado em junho de 2004, quando chegou a R$ 418,1 milhões. Em relação aos planos tradicionais, foram captados R$ 288,5 milhões em novos recursos, o que representou uma queda de 2,5% na comparação com maio, quando R$ 296 milhões entraram no sistema. Na comparação com junho de 2004, quando o sistema arrecadou R$ R$ 297,1 milhões, a queda foi de 2,88%.

SEMESTRE

Entretanto, no semestre, a captação do setor ainda apresenta queda de 5,39% no comparativo com o mesmo período do ano passado, com um volume de recursos de R$ 8,1 bilhões (46% do total arrecadado em 2004, que foi de R$ 17,7 bilhões). Entre os produtos, o VGBL liderou o ranking de captação, com R$ 4,3 bilhões (54% do total arrecado), seguido pelo PGBL, com R$ 1,9 bilhão (24% do total) e planos tradicionais (22% do total).

No semestre, os planos tradicionais arrecadaram R$ 1,8 bilhão, contra R$ 1,7 bilhão arrecadado no primeiro semestre de 2004 (alta de 2,63%). O VGBL, por sua vez, captou R$ 4,3 bilhões no primeiro semestre de 2005, contra
R$ 4,5 bilhões no mesmo período do ano anterior (queda de 2,4%). A queda mais expressiva ficou por conta do PGBL, que captou no primeiro semestre de 2005 R$ 1,9 bilhão, contra R$ 2,4 bilhões no primeiro semestre de 2004 (retração de 17,7%)

RESERVAS

O volume de recursos depositados no sistema de previdência privada cresceu 28,6% no primeiro semestre deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado (dado acumulado desde o início da série), segundo a Anapp, somando R$ 67,1 bilhões. Os planos tradicionais mantiveram a liderança no ranking de reservas, com 40% do total, seguidos pelo VGBL, com 32%, e o PGBL, com 27% do total. O FAPI representa 1% das reservas do país.

CARTEIRA

Em relação à carteira de investimentos – que inclui as reservas técnicas, as reservas livres, o capital de seguradoras e outros valores – o mercado de previdência complementar cresceu 25,8% no primeiro semestre de 2005 na comparação com o mesmo período do ano anterior (acumulado desde o início da série). Com isso, a carteira do setor ultrapassou a marca dos R$ 70 bilhões.

No período, a carteira de investimentos ficou dividida da seguinte forma: os planos tradicionais mantiveram a liderança na carteira, com 42% do total, seguido pelo VGBL, com 31% e o PGBL com 26%. O FAPI completa a equação, com 1% do total do volume da carteira.

BENEFICIÁRIOS

Os dados da Anapp computaram 286.618 beneficiários do sistema de previdência privada no primeiro semestre de 2005, o que representou uma elevação de 13,2% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando foram registrados 251.772 beneficiários. Em relação a dezembro de 2004, quando havia 262.245 beneficiários inscritos no sistema, houve alta de 9,29%.

PLANOS INDIVIDUAIS

No primeiro semestre de 2005, a Anapp registrou 6.983.508 planos individuais, consolidando alta de 2,1% na comparação com o primeiro semestre do ano passado, que somaram 6.833.205. Na comparação com dezembro de 2004, quando foram auferidos 6.779.943 planos, a alta foi de 3%.

PLANOS EMPRESARIAIS

A Anapp registrou 130.616 planos corporativos de previdência complementar aberta no país no primeiro deste ano, contra 99.226 planos existentes no acumulado até junho de 2004 (alta de 31,6%). Já em relação a dezembro de 2004, quando 120.662 planos foram contabilizados pela associação, o crescimento foi de 8,2%.

PROJEÇÕES

Para o presidente da Anapp, Osvaldo do Nascimento, o mercado está retomando a trajetória de crescimento, interrompida momentaneamente por conta das indefinições quanto ao regime tributário e prazos para adesão, ocorridas no entre janeiro e maio deste ano.

“Constatamos uma clara volta à normalidade. Seguramente, o mercado de previdência voltará a crescer, agora que as normas estão estabilizadas e há um prazo maior para o participante fazer sua opção”, afirma o executivo.

Nascimento lembra que a definição de novas regras possibilitou às seguradoras intensificar a comunicação de seus produtos ao público. “Certamente, o mercado investirá pesadamente em campanhas de marketing para atrair novos participantes”.

O que pode atrapalhar os planos do mercado, segundo o presidente da Anapp, é a conjuntura política e a persistente desigualdade socioeconômica do país. “Para a previdência complementar crescer de forma consistente e efetivamente se tornar um instrumento de poupança de logo prazo importante para o país, é fundamental que haja crescimento econômico sustentável e maior distribuição de renda”, complementa.

Fonte: ANAPP