Com o aumento de casos de explosão de caixas eletrônicos,os bancos têm instalado dispositivos antifurto nessas máquinas.

02/06/2011

Com o aumento de casos de explosão de caixas eletrônicos, principalmente em São Paulo, os bancos têm instalado aparelhos antifurto nessas máquinas. Esse mecanismo mancha com tinta rosa as cédulas do caixa eletrônico danificado. E segundo o diretor de Administração do Banco Central (BC), Altamir Lopes, estima em cerca de 75 mil o número de cédulas manchadas por mecanismos antifurtos de caixas eletrônicos não retiradas de circulação.

Na quarta-feira (1º), o BC informou que essas notas manchadas por tinta de mecanismos antifurto não poderão mais ser utilizadas. O diretor de Administração do BC pediu para a população ficar atenta às características das notas de real e não aceitar o recebimento de cédulas danificadas. Segundo ele, todas as notas manchadas perderão a validade, não importando o tamanho da mancha de tinta.

Caso o cidadão aceitar por erro ou ingenuidade uma nota suspeita de ter sido danificada pelo dispositivo antifurto, a orientação é entregar a cédula a uma agência bancária, que irá remeter o dinheiro ao BC para análise. Ao entregar a nota, o cidadão deverá informar o número do CPF, de um documento de identificação com foto e seu endereço. De acordo com Altamir Lopes, “essas medidas têm duas finalidades: a primeira é manter o cidadão informado sobre os trâmites de seu processo e a segunda tem caráter de proteção contra a atividade criminosa.

Se o BC comprovar que o dano realmente foi provocado por dispositivo antifurto, a instituição financeira deverá comunicar esse fato ao portador. As informações dadas pelo cidadão que entregou a nota ao banco poderão ser repassadas à polícia. Todavia, se o BC comprovar que o dano não foi causado por dispositivo antifurto, o banco providenciará a troca da nota.

O alerta que Lopes da é o seguinte: se caso algum cliente saque dinheiro manchado em caixa eletrônico, é importante retirar extrato bancário em seguida e comunicar o fato à instituição financeira. Se não for possível fazer essa comunicação de imediato, a orientação é registrar a ocorrência em uma delegacia. Segundo Lopes, em casos de falha da instituição financeira, o cliente poderá ser ressarcido pelo banco.

Ainda de acordo com Lopes, os bancos poderão ser ressarcidos pelo BC quando as cédulas forem manchadas por acidente ou por situação de furto frustrado. Os custos de produção das novas notas e de análise serão definidos pelo BC e cobrados das instituições financeiras. E é claro que os deficientes visuais não ficarão de fora, já estão analisando mecanismos que ajudem os mesmos a identificar cédulas manchadas.

Fonte: Agência Brasil / Repórter: Kelly Oliveira