Taxas de juros mostram discreta elevação em setembro

27/09/2005

A Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Governo do Estado de São Paulo, realizou em dez instituições financeiras, nos dias 12 e 13 de setembro, pesquisa de taxa de juros de empréstimo pessoal e cheque especial para pessoa física. O levantamento elaborado pelo órgão constata que das dez instituições bancárias pesquisadas, duas elevaram as taxas de empréstimo pessoal e uma diminuiu. No cheque especial, três elevaram as taxas e, não houve nenhuma queda. Os bancos que fizeram parte da pesquisa foram HSBC, Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander, Nossa Caixa, Real e Unibanco.

Empréstimo Pessoal - a taxa média dos bancos pesquisados foi de 5,46% a.m., superior à do mês anterior, que foi de 5,44% a.m., significando um acréscimo de 0,02 ponto percentual.

As altas verificadas nas taxas de empréstimo pessoal foram:

Banespa – alterou de 5,75% para 5,80% a.m., o que significa um acréscimo de 0,05 ponto percentual, representando uma variação positiva de 0,87% em relação à taxa de agosto/05;

Real – alterou de 5,70% para 5,90% a.m., o que significa um acréscimo de 0,20 ponto percentual, representando uma variação positiva de 3,51% em relação à taxa de agosto/05.

A única queda constatada foi por parte do HSBC, que alterou sua taxa de 5,10% para 5,07% a.m., o que significa um decréscimo de 0,03 ponto percentual, representando uma variação negativa de 0,59% em relação à taxa de agosto/05

Cheque Especial - a taxa média dos bancos pesquisados foi de 8,32% a.m., superior à do mês anterior, que foi de 8,29% a.m., significando um acréscimo de 0,03 ponto percentual.

As altas verificadas nas taxas de cheque especial foram:

Banespa e Santander – alteraram de 8,40% para 8,50% a.m., o que significa um acréscimo de 0,10 ponto percentual, representando uma variação positiva de 1,19% em relação à taxa de agosto/05;

Banco do Brasil – alterou de 7,99% para 8,03% a.m., o que significa um acréscimo de 0,04 ponto percentual, representando uma variação positiva de 0,50% em relação à taxa de agosto/05.

Não houve quedas no cheque especial. Os demais bancos mantiveram suas taxas.

Considerando que existe a possibilidade de variação da taxa do empréstimo pessoal em função do prazo do contrato, foi estipulado o período de 12 meses, já que todos os bancos pesquisados trabalham com este prazo. Vale lembrar, também, que os dados coletados referem-se a taxas máximas pré-fixadas para clientes não preferenciais, sendo que para o cheque especial foi considerado o período de 30 dias.

Os juros continuam apresentando elevações. As taxas médias das duas modalidades de crédito pesquisadas registram, desde o início do ano, elevações mensais pouco expressivas, porém contínuas. Os acréscimos nas taxas médias mensais não chegam a 0,10 ponto percentual, no entanto, além de contínuos, incidem sobre taxas já bastante elevadas.

Na reunião de agosto, o COPOM (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decidiu manter a taxa Selic em 19,75% ao ano, pelo terceiro mês consecutivo. Na reunião de setembro, a decisão foi pelo corte de 0,25 ponto percentual, alterando a taxa básica de 19,75% para 19,50% ao ano.

A pesquisa de taxas de juros de setembro, excepcionalmente, não foi realizada no início do mês e, desta forma, sua divulgação se deu após a reunião de setembro do COPOM. Seus resultados, no entanto, refletem o comportamento cauteloso das instituições financeiras, no contexto de manutenção da taxa básica definida na reunião de agosto.

A recente decisão do COPOM, de baixar a taxa SELIC, poderá desencadear alguma reação baixista nas taxas de juros praticadas pelos bancos, já a partir do próximo mês. De qualquer modo, só com os resultados da pesquisa de outubro poderá se confirmar esse fato.

Por enquanto, o consumidor deve assumir uma posição de cautela em relação à contratação de empréstimos, pois as taxas continuam muito altas. Com a perspectiva de queda dos juros que se anuncia, vale a pena aguardar taxas mais atraentes.

Fonte: Procon-SP