Previdência  
Investimento

A Previdência Privada é uma opção de aposentadoria complementar oferecida por bancos e seguradoras. Subdivide-se em dois tipos principais:

PGBL - Planos Geradores de Benefícios Livres

O investidor adquire o plano na instituição de previdência privada e esta se torna responsável pela aplicação dos recursos, elegendo uma instituição financeira, que vai bancar a administração dos recursos. Na prática, a instituição financeira abre um Fundo de Investimento Financeiro Exclusivo (Fife) para cada plano de PGBL.

Há três tipos básicos de PGBL:

Soberano: formado por títulos públicos federais, como por exemplo, Títulos ou Créditos Securitizados do Tesouro Nacional, ou Títulos do Banco Central;

De renda fixa: composto por títulos de renda fixa públicos e privados, como debêntures e CDBs;

Composto: formado por aplicações em renda variável, como ações e commodities. Existem várias composições de fundos, que vão desde 5% até 49% da aplicação em ações.

Existe também o PGBL Cambial, no qual parte dos recursos é aplicada em papéis atrelados à variação do dólar.

VGBL - Vida Gerador de Benefício Livre

O VGBL visa única e exclusivamente o acúmulo de capital. Ao final do contrato, o segurado receberá o valor como renda mensal, vitalícia ou temporária.

No VGBL os prêmios investidos não são dedutíveis do Imposto de Renda. Por isso, no momento dos resgates ou recebimento dos benefícios, estes serão tributados com base na tabela progressiva do IR. Mas a tributação será aplicada somente sobre a parcela dos ganhos de capital ou seja, uma tributação somente sobre o lucro.

A grande diferença entre PGBL e VGBL é tributária. Nos PGBLs você pode deduzir do valor do seu imposto a pagar a soma de todas as contribuições feitas ao plano até um limite de 12% da renda bruta anual do segurado. Nos VGBLs, por sua vez, isso não é possível. Em contrapartida, na hora do resgate você paga menos imposto, pois este é calculado sobre o ganho de capital e não sobre o total do montante acumulado, como acontece nos PGBLs.

Clientes Potenciais do VGBL:

* quem declara no modelo simplificado do Imposto de Renda, ou seja, quem é isento ou trabalhadores autônomos que não se beneficiam do tratamento fiscal concedido pelo PGBL;

* aqueles que declaram no modelo completo, mas desejam contribuir acima do limite de 12% da renda bruta em um plano de aposentadoria complementar;

* pessoas que têm fundo em outros investimentos ou um saque do FGTS e desejam comprar uma renda mensal imediata ou com início em curto prazo;

* aqueles que querem investir a médio e longo prazo, podendo adiar para o momento do resgate, o pagamento de imposto sobre o ganho de capital.

Entretanto, se você decidir sacar de uma vez só todo o dinheiro acumulado até a sua aposentadoria, poderá se surpreender ao verificar que boa parte desses ganhos será engolida no pagamento de IR sobre o valor sacado. Nesta situação, talvez a melhor opção de previdência seja um VGBL, pois o menor imposto no resgate compensaria a isenção de IR durante a fase de acumulação.

Voltar