Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

39,8% dos negativados no Brasil estão com o nome sujo no Serasa

Por Janaína TavaresPublicado em

Você está negativado ou conhece alguém que se encontra nessa situação? De acordo com uma pesquisa da Foregon, feita entre os dias 30 de dezembro de 2019 a 13 de janeiro de 2020, 39.8% dos inadimplentes estão com o nome sujo no Serasa. Veja mais informações, logo a seguir.

Entenda os resultados do estudo

Segundo o levantamento da fintech, foi possível comprovar que 28,9% dos consumidores brasileiros estão negativados, ou seja, mais de 60 milhões de pessoas. Este valor é baseado na estimativa populacional brasileira para 2019 dada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apesar de 36.6% dos entrevistados afirmarem que já estiveram negativados em outro momento da vida, 67.2% dos respondentes disseram que estão inadimplentes pela primeira vez. Sendo assim, o percentual deste público é ainda maior quando se trata da população jovem na faixa etária de 18 a 24 anos, somando 87,5%.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Dito isto, a pesquisa também averiguou que quase 40% dos negativados estão com o nome sujo no Serasa. Veja mais na tabela:

Serasa 39,8%
Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) 29,1%
Outros 22%

Motivos da inadimplência

Em relação aos possíveis motivos da inadimplência, três em cada dez brasileiros atribuem a negativação porque emprestaram o nome para outras pessoas realizarem compras. Outras explicações foram citadas, como:

  • Desemprego: 24.2%;
  • Minha renda diminuiu: 11.5%;
  • Falta de controle financeiro: 8.6%;
  • A cobrança foi indevida e/ou injusta e não paguei: 7.8%;
  • Outros: 6.3%;
  • Priorizei o pagamento de outra conta: 4.9%;
  • Problemas com meu negócio: 2.3%;
  • Esqueci de realizar o pagamento: 1,7%.

Pesquisa ‘Panorama dos negativados no Brasil 2020’

O estudo busca analisar as evidências relacionadas à inadimplência dentro do contexto brasileiro, além de identificar o nível de endividamento da maioria dos consumidores.

Portanto, para essa pesquisa, a fintech ouviu 5.908 consumidores e o nível de confiança do estudo é de 95%, com uma margem de erro de 1,3 pontos percentuais.

Além disso, todas as faixas etárias foram levadas em consideração no levantamento. Mas os respondentes na faixa de 25 a 34 anos se destacaram como a maioria, acumulando 38,1% de participação.

Vale citar ainda que a região com maior representatividade foi a região Sudeste, concentrando 30,2% dos respondentes, seguida do Nordeste, com 24,6% e Sul, com 17,5%.

Você vai gostar de ler

Aproveite esse momento para ler outros conteúdos da Foregon:

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado você a entender mais a respeito da pesquisa. Qualquer dúvida, envie sua pergunta pra gente. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Janaína Tavares

Jornalista e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, a Janaína (ou Jana). Como redatora, ama os conteúdos sobre dicas financeiras. Preza pela checagem de todas as informações e o conteúdo perfeito para ela, é aquele que ajuda o leitor a resolver um problema, ensinando e orientando o leitor a tomar a melhor decisão.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

85% das pessoas que instalam apps dos bancos digitais não viram clientes, diz pesquisa

Consumidor busca banco digital pela baixa burocracia, diz pesquisa

Conheça 15 aplicativos que vão te ajudar a economizar

Mais brasileiros montaram reserva de emergência durante a pandemia

Comparativo: Nubank Ultravioleta ou C6 Carbon?

Pesquisa aponta que número de jovens que se tornaram MEIs na pandemia aumentou

Gig economy: conheça o novo modelo de trabalho

Como o aumento do dólar pode impactar sua vida em 2021?