Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

5 passos importantes para montar o seu negócio digital

Por Camila SilveiraPublicado em

Com a crise causada pela pandemia do coronavírus e a necessidade do isolamento social, as vendas online dispararam no ano de 2020. De acordo com um levantamento da Ebit/Nielsen, o crescimento do faturamento do comércio eletrônico superou 38% no ano passado. E a tendência é que cresça cada vez mais.

Para quem deseja montar um empreendimento digital, os especialistas recomendam focar em cinco passos bastante importantes: planejamento, plataforma de vendas, rede social, pós-venda e adequação a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Confira detalhadamente cada ponto e esclareça as suas dúvidas.

5 passos importantes para montar o seu negócio digital

1. Planejamento

O planejamento é o primeiro passo para começar um negócio, seja no meio físico ou digital. Para quem está começando, o ideal é focar em seis pontos:

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20
  • Formar o preço de venda;
  • Garantir fornecedores;
  • Negociar o frete;
  • Estudar empresas da área;
  • Pesquisar números de segmento;
  • Entender quais os custos fixos e prazo de retorno de investimento;
  • Determinar meios de receber os pagamentos.

De acordo com Miklos Grof, CEO da Company Hero, startup que auxilia empresas a migrarem para o meio digital, "é preciso entender antes de construir, tem que analisar tudo e somente depois investir".

2. Plataforma de vendas

O segundo passo é escolher qual será a sua plataforma de vendas. Além da possibilidade de vender diretamente pelas redes sociais, os empreendedores podem escolher por duas formas mais avançadas: o e-commerce (seu próprio site de vendas) ou o marketplace (plataformas agregadoras como Amazon, Mercado Livre e Magalu).

Para Márcia Ogawa, sócia-líder de tecnologia da consultoria Deloitte, apostar no marketplace tem suas vantagens, principalmente para quem está começando, pois a sua estrutura possibilita os meios de pagamento e de entrega. "Ela reduz suas despesas e acaba tornando o negócio visível para um público maior", afirma Márcia.

Por outro lado, o consultor da Sebrae, Eder Max, afirma que é importante construir um site próprio, mesmo que não realize a venda diretamente por esse canal. 

"Ter o site dá mais segurança para o comprador. Ele acaba funcionando como uma vitrine de loja, um endereço virtual para quem não tem o físico", afirma.

3. Redes sociais

Ter uma página profissional nas redes sociais é fundamental também, pois nesses lugares você encontrará os seus primeiros clientes, mesmo antes de iniciar suas vendas. Esse espaço permite que o empreendedor torne-se uma verdadeira referência no assunto e, para isso, é recomendado:

  • Entender o assunto para se tornar uma referência;
  • Buscar informações em livros, cursos e podcasts;
  • Postar dicas e curiosidades sobre seu produto;
  • Interagir com seus seguidores;
  • Cadastrar a empresa no "Meu negócio" do Google;
  • Caprichar no visual.

4. Pós-venda

O pós-venda não se trata apenas de ouvir e resolver reclamações dos clientes, o empreendedor também deve:

  • Ouvir sobre a experiência de compra do cliente;
  • Ter área de atendimento ao consumidor de fácil acesso no site;
  • Ter diversos canais de atendimento, como telefone, WhatsApp, e-mail e redes sociais.

Como o negócio digital não possui um local físico para que o cliente possa fazer a devolução da compra, você precisa seguir corretamente a política de reenvio da mercadoria. "Sobre a lei do arrependimento, durante 7 dias, o empresário não pode cobrar a logística reversa", explica Eder Max, do Sebrae.

5. Adequar à LGPD

Por último, mas não menos importante, o empreendedor digital deve seguir as regras da LGPD, que entrou em vigor em setembro de 2020. 

Por exemplo, empresas que possuem canais digitais precisam pedir o consentimento dos clientes para coletar informações, como o CPF.

Os cidadãos podem solicitar a retificação desses dados e pedir que eles sejam apagados. E se a empresa reconhecer algum vazamento de informações dos clientes, por exemplo, precisará solucioná-lo e notificar a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado você com esse conteúdo. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Pix: saiba o que você já pode pagar utilizando esse sistema

Viagem dos sonhos: como se organizar e juntar dinheiro?

Instagram como ferramenta de negócios: guia completo

Como recarregar Bilhete Único pelo celular?

PicPay: como fazer cobranças pelo aplicativo?

Caixa abre 10 mil vagas de emprego para concursados, estagiários e aprendizes

Open Banking ou Open Finance: o que você precisa saber sobre esses sistemas

Não consegue guardar dinheiro? Conheça a “poupança por assinatura”