Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

5 princípios que devemos aprender em momentos de crise

Por Camila SilveiraPublicado em

Que a crise causada pela pandemia do coronavírus trouxe muitas dificuldades para a vida financeira da sociedade como um todo, isso é inegável, afinal, inúmeras pessoas perderam seus empregos e outras chegaram, até mesmo, à falência. Apesar disso, muitos conseguiram passar por essa fase com  tranquilidade e contando com oportunidades que surgiram em meio à crise.

Com o propósito de ajudar você, nós separamos cinco lições que podem te ajudar a lidar melhor com os momentos de crise. Ficou interessado? Continue a leitura e aproveite o conteúdo!

5 princípios que devemos aprender em momentos de crise

1. Saiba que a economia é feita de ciclos

Não é de hoje que as crises existem, concorda? Essa não foi a primeira e não será a última que vai acontecer no mundo, afinal, a economia, assim como a vida, possui ciclos. Mas, o que devemos fazer em relação a algo que não temos controle? Existem alguns fatores que podem nos ajudar a se preparar.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Uma fonte de renda, por exemplo, que oferece tudo o que queremos, pode dar a sensação de estabilidade financeira, nos deixando otimistas para o futuro. Apesar disso, essa sensação faz com que entremos em uma zona de conforto, acreditando que nunca mais vamos perder aquele emprego ou o status atual, o que pode ser perigoso.

Quando estamos na zona de conforto, esquecemos que imprevistos acontecem e, por isso, tudo pode ir por água abaixo.

O exemplo mais vivo foi o da pandemia, momento que ninguém estava esperando, trazendo diversas perdas econômicas. Para se prevenir de uma crise dessa, por exemplo, e de qualquer outra, é necessário ser mais prudente com os gastos, evitar desperdícios e aprender a administrar melhor o seu dinheiro.

2. Tenha estratégias para superar os períodos difíceis

Agora que você já entendeu que os momentos difíceis podem surgir de repente, é importante se imaginar naquela situação e criar estratégias para quando isso realmente acontecer. É preciso se preparar emocionalmente e acreditar que todos nós somos seres adaptáveis – tudo isso de uma forma prática.

Sendo assim, considere importante começar hoje a entender melhor sobre suas finanças, não gastar tudo o que ganha e separar um percentual dos seus ganhos para poupar e investir. Pense que você está comprando tranquilidade para você e sua família e evitando maiores prejuízos em um momento de crise.

3. Crie uma reserva de emergência

A partir do momento em que você identificou seus gastos essenciais, como moradia, educação, alimentação, saúde e transporte, e aqueles que fazem parte do seu estilo de vida, como lazer, compras, entre outros, você precisará definir quanto é necessário para suprir essas despesas por um determinado período.

Geralmente, os especialistas em finanças recomendam um período de 3 a 12 meses, podendo ser ajustado de acordo com as suas necessidades.

Por exemplo: se você possui estabilidade em seu trabalho, como é o caso de muitos funcionários públicos, pode escolher um período mais curto.

Caso seja um profissional autônomo, o ideal é que tenha uma reserva de emergência maior. O cálculo é a média dos seus gastos mensais, multiplicado pelo número de meses que deseja ter assegurado pela reserva.

Não se esqueça que não existe um número de meses exatos, ou seja, escolha aquilo que te deixa mais confortável. Sobre os investimentos, busque aplicações seguras, conservadoras e com uma alta liquidez, ou seja, que permita você retirar o seu dinheiro rapidamente, quando for necessário.

4. Esteja sempre atualizado

Como as profissões estão sempre mudando, em um mundo tão dinâmico, globalizado e influenciado pela tecnologia, estar bem posicionado em sua área, atualizado e buscando novas oportunidades, te ajudará a ter mais ofertas de trabalho. Dessa forma, você se tornará um profissional procurado pelas empresas ou um empreendedor de sucesso.

Atente-se, também, a possíveis fontes alternativas de renda. Contar com uma boa carteira de investimentos, por exemplo, pode ser uma boa opção. Sendo assim, estude e mantenha-se atualizado, dessa forma, você sempre terá um plano B em mente e não sofrerá tanto em momentos de crise.

5. Em momentos de crise, use o seu dinheiro com sabedoria

Nos momentos difíceis, você pode doar dinheiro para quem precisa – caridade, ou para quem não precisa – generosidade.

As pessoas mais prósperas do mundo entenderam que isso é importante e, por isso, usam suas fortunas com sabedoria. Bill Gates, fundador da Microsoft, por exemplo, se dedica à filantropia, pois descobriu que o grande sentido da riqueza é poder contribuir para que outras pessoas possam ter uma vida melhor.

Tempos difíceis nos mostram que todos nós estamos sujeitos a precisar de ajuda, portanto, se você está no topo da roda hoje, não deixe de ajudar!

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado você com esse conteúdo. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

SP Acolhe: saiba tudo sobre o auxílio de R$ 300 e veja como se inscrever

Governo de SP inicia pagamentos do ‘Vale Gás’ e ‘SP Acolhe’. Veja como sacar

Prorrogação do Auxílio Emergencial 2021: o que mudará?

Pagamento da 4ª parcela do Auxílio Emergencial é antecipado: veja as datas

Confirmado: governo anuncia prorrogação do Auxílio Emergencial até outubro de 2021

Terapia popular: opções gratuitas que promovem saúde mental e financeira

Governo de SP pagará auxílio de R$ 300 a parentes de vítimas do Covid-19

Crise financeira: Caixa anuncia redução das parcelas de financiamento habitacional