Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos

A cura para o coronavírus?

Por Thais SouzaPublicado em

Em meio à pandemia do coronavírus, as autoridades da saúde do mundo inteiro correm contra o tempo para encontrar a cura ou maneiras de amenizar os impactos do vírus no corpo humano. 

O que não imaginávamos é que uma lhama que vive tranquilamente em uma granja da Bélgica pode ser a chave para a cura dessa doença que já infectou e matou milhares de pessoas. 

Winter: a lhama que pode salvar o planeta do coronavírus 

A Winter é uma lhama como qualquer outra. Porém, ela carrega em seu sangue um anticorpo com potencial para inibir efeito do vírus.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

O animal possui quatro anos de idade e vive no rancho de um laboratório na Bélgica. Ela mal sabe, mas pode se tornar uma grande heroína contra o Covid-19. Isso porque, uma pesquisa realizada recentemente encontrou um anticorpo desenvolvido pelas lhamas que pode ajudar a combater a infecção causada pela Sars-Cov-2, nome oficial do coronavírus. 

Porém, como qualquer pesquisa desse porte, os testes em humanos podem demorar para acontecer, tendo em vista que o estudo ainda está nas primeiras fases. Mas as previsões é que ocorram até o final deste ano. 

Nanocorpos

Estudada desde quando nasceu em 2016 pelos cientistas da Universidade de Texas e da Universidade de Gante, a lhama Winter possui em seu sangue os chamados "Nanocorpos", anticorpos do sistema imunológico que impede que o vírus infecte suas células. 

As lhamas possuem anticorpos três vezes menores que os nossos e, podem infiltrar-se nos espaços das proteínas virais que são minúsculas demais para os anticorpos humanos, podendo ser extremamente eficazes nestes casos. 

Segundo o cientista Daniel Wrapp, em entrevista para a BBC Mundo, os pesquisadores estão otimistas com a descoberta, pois ao contrario de uma vacina, que faz com que uma pessoa produza os anticorpos (algo que pode levar tempo), esse tratamento pode ser usado em pessoas que já estão doentes e o resultado é bem mais rápido.

"Se tudo sair perfeito e chegarmos à etapa de fazer provas em humanos, poderemos ter uma droga aprovada em um ano", ressaltou Wrapp. 

Otimismo com testes de vacina contra covid-19 

Algumas vacinas também apontam resultados promissores contra o covid-19 e trazem otimismo para as pessoas e o mercado.

Na  terça-feira (26/5), uma empresa norte americana iniciou os testes da nova vacina Novavax ou NVX-CoV2373, que demonstrou imunidade à doença e presença de anticorpos neutralizadores.

Serão 130 voluntários da Austrália com idades entre 18 e 59 anos que receberão as doses. Os resultados para estes testes estão previstos para sair em julho deste ano e, caso sejam promissores, serão iniciados novos testes em mais países e pessoas.

Enquanto a lhama Winter ou as vacinas ainda não apresentem a verdadeira cura, devemos seguir com esperança e tomando todos os cuidados necessários para evitar a propagação do vírus.

Deixe seu comentário se você gostou do artigo e até a próxima! 😉 

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Thais Souza

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos relacionados a investimentos e empréstimos e acredita que esse tipo de conhecimento pode mudar a vida das pessoas. Busca impactar a vida de pessoas que buscam resolver um problema ou conhecer melhor um produto ou serviço financeiro.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

O Auxílio Emergencial vai voltar em 2021?

Conheça o ‘Auxílio Emergencial’ para moradores da cidade de Belém

O que é necessário para receber a vacina contra o coronavírus?

Procon alerta para anúncio falso de vacina contra o covid-19

Como a pandemia afetou a economia brasileira em 2020?

Benefícios de aplicar o Auxílio Emergencial no Nubank ou Banco Inter

Réveillon 2021: festas são canceladas em diversos estados

Digitalização na pandemia: como as empresas têm investido em tecnologia?

  1. Home
  2. Conteúdo
  3. Especial coronavírus