Foregon.comConteúdos

A redução da taxa básica de juros reflete no seu bolso?

Por Janaína TavaresPublicado em
Compartilhe

Depois de uma determinação do Comitê de Política Monetária (Copom), feita em agosto desse ano, a taxa básica de juros sofreu uma redução e chegou a 2% ao ano.

Este é considerado como o menor nível da história, mas você sabe como essa queda pode influenciar na sua vida de consumidor? É isso que você vai descobrir, logo a seguir. 

Entenda o que é a taxa Selic

Chamada de Selic, ela é a menor taxa de juros que os bancos e instituições financeiras pagam para ganhar dinheiro.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Em outras palavras, o nível dessa taxa básica de juros é usado como referência para todas as taxas de juros praticadas pelo país.

Além disso, a Selic tem uma influencia direta em todas as taxas de juros que são cobradas nas aplicações financeiras, empréstimos, financiamentos, dentre outras linhas de crédito.

O que provocou a redução da taxa básica de juros? 

A cada seis semanas, o Copom reavalia o nível da Selic. No entanto, a redução da taxa básica de juros é provocada, principalmente, por causa da inflação

Portanto, se a inflação do país estiver alta, essa taxa vai aumentar para que todas as outras taxas do mercado cresçam também. Neste cenário de juros maiores, o crédito passa a ser mais caro tanto para as empresas como para os consumidores.

Contudo, o aumento da Selic também é um incentivo para que a população economize mais, ao mesmo tempo que as pessoas podem aproveitar para aplicar dinheiro, já que as aplicações financeiras têm um bom rendimento dentro dessa hipótese.

Por outro lado, quando a inflação está controlada, o Copom abaixa a Selic. Com essa redução da da taxa básica de juros, as modalidades de crédito seguem a mesma lógica: elas ficam mais baratas, só que as aplicações financeiras rendem menos.

A redução da taxa básica de juros é boa para você?

Com a redução da taxa básica de juros, o consumidor brasileiro tem a chance de economizar, mas também pode adquirir um crédito e gastar com mais facilidade.

Essa situação também se aplica para as empresas porque elas podem vender mais, levando em conta que terão mais pessoas dispostas a comprar ou solicitar os seus produtos e serviços.

Vale destacar que a redução da taxa básica de juros também proporcionar outras vantagens como, por exemplo: geração de emprego e juros menos para as empresas abrirem filiais, expandir fábricas e muito mais.

Conteúdos úteis para você

Vale a pena continuar com a gente e conhecer outros artigos da Foregon:

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado você com o nosso conteúdo. Em casos de dúvidas ou sugestões, envie seu comentário aqui para que possamos responder. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe nas suas redes sociais

Janaína Tavares

Jornalista e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, a Janaína (ou Jana), é apaixonada por cinema e pelo mundo asiático. Como redatora, ama os conteúdos sobre dicas financeiras. A Jana preza pela checagem de todas as informações para produzir relevantes e confiáveis, com a consciência de que realmente está escrevendo algo que vai fazer a diferença na vida do leitor da Foregon. O conteúdo perfeito para ela, é aquele que ajuda o leitor a resolver um problema, ensinando e orientando o leitor a tomar a melhor decisão. “É um grande prazer falar com você através dos meus artigos, e que de alguma forma, tenho a oportunidade de fazer a diferença na sua vida, isso me realiza como redatora e como pessoa.”

Ver todos os posts

Leia a seguir

  • Dicas financeiras

    Como funciona o Vivo Money?

  • Dicas financeiras

    Data de vencimento e fechamento da fatura: qual a diferença?

  • Dicas financeiras

    Conta Simples: como funciona e quais os benefícios?

  • Dicas financeiras

    Black Friday 2020: a edição que está gerando altas expectativas

Ver mais conteúdos

Veja o que estão comentando

Principais conteúdos

Principais assuntos

  1. Home
  2. Conteúdo
  3. Dicas financeiras