Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos

Aplicativo FGC: como funciona e quem pode usar?

Por Janaína TavaresPublicado em

Você é cliente de alguma instituição financeira coberta pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC)? Saiba que você não precisa ir mais  até uma agência bancária para receber o pagamento desse benefício, caso a empresa na qual você depositou dinheiro ou investiu foi à falência.

Portanto, agora você pode contar com um aplicativo que foi desenvolvido recentemente pelo FGC. Com ele, fica muito mais fácil para ter acesso ao pagamento das garantias. Por isso, neste artigo, você verá como o App funciona e quem pode usá-lo.

Como funciona o aplicativo do FGC?

Para receber a garantia desse fundo, antes era necessário ir até a agência bancária indicada pelos gestores do FGC. Chegando no local, você assinava o termo de recebimento dos valores.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Porém é possível fazer isso digitalmente, através do aplicativo que está disponível para iOS e Android. Ou seja, você pode assinar o documento sem precisar sair de casa.

Assim, a expectativa é que o prazo de ressarcimento possa diminuir, já que antes o investidor ou depositante esperava cerca de um mês para ter acesso à garantia do fundo.

Com o aplicativo, o processo se torna ágil para quem precisa resolver os problemas com mais praticidade no dia a dia.

Observação: as garantias estão limitadas R$ 1 milhão a cada quatro anos, para os mesmos clientes que possuem valores cobertos pelo fundo em mais de uma instituição financeira que quebre no período.

Quem pode usar o aplicativo FGC?

Como essa é a primeira versão da ferramenta, o App só está disponível para Pessoa Física (PF), depósitos ou ou investimentos em instituições liquidadas ou sob intervenção do Banco Central (BC).

Vale destacar ainda que, futuramente, o aplicativo fornecerá novas funcionalidades para seus usuários.

Conheça melhor o FGC

O Fundo Garantidor de Crédito é uma entidade privada, sem fins lucrativos, que foi criada em 1995.

Além disso, tem como principal objetivo proteger correntistas e investidores, oferecendo uma cobertura de até R$ 250 mil por conta, CPF ou CNPJ caso uma instituição financeira seja liquidada ou tenha a falência decretada pelo BC.

Sendo assim, se o banco "quebrar", o cliente que investiu por meio dele está assegurado pelo FGC que concede a devolução de até R$ 250 mil dos valores investidos.

No entanto, isso só acontece se a instituição financeira for associada a esse fundo como, por exemplo:

  • Sociedades de crédito, financiamento e investimento;
  • Associações de poupança e empréstimo;
  • Bancos de desenvolvimento;
  • Companhias hipotecárias;
  • Sociedades de crédito imobiliário, entre outras.

Conteúdos úteis para você

Para te ajudar ainda mais, separamos outros artigos que também podem ser do seu interesse:

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado você com as nossas dicas. Em casos de dúvidas ou sugestões, envie seu comentário para que possamos responder. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Janaína Tavares

Jornalista e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, a Janaína (ou Jana). Como redatora, ama os conteúdos sobre dicas financeiras. Preza pela checagem de todas as informações e o conteúdo perfeito para ela, é aquele que ajuda o leitor a resolver um problema, ensinando e orientando o leitor a tomar a melhor decisão.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Algar Telecom: conheça os diferentes planos de celular

Placa Mercosul: como é o emplacamento em outros países e quais as diferenças

Como colocar a nova placa Mercosul?

Hotmart Pocket: dúvidas frequentes

Placa Mercosul: dúvidas frequentes

Saiba o que mudou no projeto das placas do Mercosul e tire suas dúvidas

Placas Mercosul: conheça seu histórico e os preços em cada estado

Banco digital ou banco tradicional: qual o melhor?