Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Após aumento na taxa extra na conta de luz, Aneel prevê novo aumento

Por Sabrina VansellaPublicado em

Em decorrência dos baixos níveis de água nos reservatórios do país, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vem aprovando ajustes da taxa extra embutida nas contas de luz. Há pouco dias, a bandeira tarifária sofreu um reajuste de 52% e entrou em fase vermelha nível 2, passando de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh consumidos.

No entanto, esse não será o único reajuste programado para os próximos meses. A agência já abriu uma consulta pública para uma segunda correção de valores para ainda esse ano. De acordo com a proposta sugerida, a bandeira vermelha 2 seria elevada para algo entre R$ 11,50 e R$ 12 a cada 100 kWh a partir de agosto. 

Aumento para o consumidor

O novo aumento vai pesar no bolso do consumidor final, já que a partir deste mês as contas estarão cerca de 8,12% mais caras. O cenário atual exige um reajuste imediato para que seja possível arcar com os custos adicionais das termelétricas, que devem somar R$ 9 bilhões em 2021.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Segundo estimativas da Aneel, se fosse mantida a taxa adicional em R$ 9,49 a cada 100 kWh, haveria 46% de chances de um déficit de R$ 2 bilhões, chegando a R$ 3,5 bilhões até o fim de 2021. Agora, se o reajuste chegar a R$ 11,50 pode minimizar esse risco. No entanto, ainda assim, haveria uma chance de 9% de que o déficit atingisse R$ 2 bilhões.

A intenção inicial é que o novo valor do reajuste fosse aplicado já no mês de agosto, contudo, pelo prazo de contribuição, esse valores poderão ser sentidos em setembro.

Veja também:

De acordo com André Pepitone, diretor-geral da agência reguladora, "Vivemos um período muito atípico, o pior dos últimos 91 anos. Por isso, é necessário poupar água nos reservatórios das hidrelétricas e acionar todo o parque termoelétrico". "As térmicas nos dão segurança para suprir a demanda, mas precisam de combustível para operar, e isso tem um custo, gás natural, diesel e óleo combustível.", completou Pepitone. 

É importante frisar que todo o déficit será repassado aos consumidores por meio dos reajustes anuais de cada distribuidora.

Descomplicamos?

Essa e muitas outras notícias e informações sobre o mundo das finanças você encontra no blog da Foregon. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe seu comentário aqui embaixo. Até a próxima! 

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Sabrina Vansella

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos noticiosos e sobre dicas financeiras. Procura simplificar e melhorar a qualidade de vida dos usuários e, para isso, preza por uma pesquisa assídua e uma escrita clara.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Tribunal de Justiça de São Paulo abre concurso para 845 vagas de nível médio

Lojas Renner terá conta digital para fidelizar clientes

Oportunidade de emprego: confira mais de 3 mil vagas abertas

Banco Inter disponibiliza cashback para MEI e PJ no cartão de crédito

PicPay compra 100% do Guiabolso com foco no open banking

Procon-SP: bancos deverão provar segurança dos aplicativos

Netflix altera preço da assinatura: confira os novos valores

Junção de Open Banking com Pix: tudo o que você precisa saber