Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos

Bancos já emprestaram R$ 1 trilhão desde início da pandemia de coronavírus

Por Thais SouzaPublicado em

Diante de uma crise, como a causada pelo coronavírus, muitas empresas fecham as portas e os trabalhadores acabam sendo prejudicados economicamente.

Um fator que comprova isso é o balanço da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) publicado no dia 29 de junho, no qual aponta que os bancos já emprestaram mais de R$ 1,12 trilhão desde o início da quarentena no país. 

"Mesmo em meio a um cenário bem adverso decorrente da pandemia, os bancos fizeram relevantes concessões de crédito, na casa de R$ 1,1 trilhão, incluindo operações novas, renovações de dívidas e carências de parcelas vencidas no período", afirma o presidente da Febraban, Isaac Sidney, em nota ao Broadcast.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Crise do coronavírus: aumento no pedido de empréstimos

Diante de um cenário de crise financeira, a expectativa costuma ser negativa em relação à concessão de crédito. Isso porque, o risco de inadimplência aumenta e os bancos, por sua vez, dificultam a contratação desses serviços.

Porém, não foi o que aconteceu. Somente nos meses de março, abril e maio foram emprestados R$ 981,2 bilhões, alta de 5,4% em comparação com o mesmo período de 2019.

Além das concessões de crédito, os números também incluem operações novas realizadas pelos bancos que foram adaptadas às necessidades da população, como: renovações de dívidas e carências de parcelas vencidas no período.

Segundo o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, em entrevista para o portal G1, os bancos estão abertos para mais prorrogação e postergação de contratos de crédito com os clientes – e até agora já foram prorrogados mais de dez milhões de contratos por 60 e 120 dias. 

Redução nos juros 

Ainda segunda a Febraban, houve uma redução de juros para serviços de crédito mesmo com o aumento do risco de inadimplência da população. A taxa de juros para operações de crédito, que antes era de 23,1% ao ano, depois da pandemia recuou para 20,4%.

Além disso, para pagamentos de fatura de cartão de crédito atrasadas e cheque especial, a cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) foi zerada. Isso também vale para os seguintes casos: 

  • Pagamentos parciais da fatura (entre o mínimo e o total);
  • Contratação de parcelamentos;
  • Não pagamento ou pagamento menor que mínimo até o vencimento;
  • Saques no Brasil com cartão de crédito. 

Ficou com alguma dúvida? Deixe seu comentário que a gente descomplica para você.

Até a próxima! 

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Thais Souza

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos relacionados a investimentos e empréstimos e acredita que esse tipo de conhecimento pode mudar a vida das pessoas. Busca impactar a vida de pessoas que buscam resolver um problema ou conhecer melhor um produto ou serviço financeiro.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Trabalhador que recusar tomar vacina pode ser demitido por justa causa

PF deflagra operações contra fraudes no Auxílio Emergencial

Fase emergencial da quarentena no estado de SP: o que muda?

3 coisas que as empresas estão fazendo para superar a crise do Covid-19

5 princípios que devemos aprender em momentos de crise

O Auxílio Emergencial vai voltar em 2021?

Conheça o ‘Auxílio Emergencial’ para moradores da cidade de Belém

O que é necessário para receber a vacina contra o coronavírus?