Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Brasileiros pretendem presentear alguém nas compras de fim de ano

Por Janaína TavaresPublicado em

Você costuma dar presentes para sua família, namorado (a) ou até mesmo para algum amigo no final do ano? Saiba que essa é uma ação bem comum, já que 87,7% dos consumidores entrevistados por uma pesquisa da Foregon disseram que querem presentear alguém nas compras de fim de ano. Entenda mais a repeito, logo abaixo.

O que o levantamento revela?

Com a finalidade de mapear a intenção de compra dos consumidores para o fim do ano e entender os fatores que influenciam suas decisões de aquisição, a fintech disponibilizou um questionário durante os dias 12 a 19 de dezembro de 2019.

Neste período, foi possível ouvir 1.192 brasileiros, sendo que o nível de confiança
do estudo é de 95% com uma margem de erro de 2,8 pontos percentuais. Portanto, a pesquisa apontou que 38,6% das pessoas fizeram compras na Black Friday 2019.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Dentro deste número, 61.5% aproveitaram as ofertas desta época para adiantar as compras de fim de ano. Além disso, a Foregon constatou que 86,6% pretendiam fazer mais compras depois da Black Friday.

Em relação a essas novas aquisições, 87.7% dos entrevistados disseram que vão presentear alguém no fim de ano. Apenas 12,3% informaram que não possuem o desejo de dar algum tipo de presente.

Vale destacar que os familiares lideram como a principal escolha entre o público que vai presentear alguém nas compras de fim de ano, com 71,7%. Logo em seguida vêm os cônjuges, representados por 26,9%.

Itens mais desejados nas compras de fim de ano

Mas quais seriam os produtos ou serviços mais procurados pelos consumidores que querem presentear? O levantamento da Foregon também responde isso:

Roupas e acessórios 25,6%
Alimentos 17,2%
Outros 12,1%
Eletrodomésticos 11,8%
Celulares e smartphones 11,8%
Eletrônicos 6,8%
Móveis 5,1%
Calçados  3,1%
Viagens 3,1%
Produtos de cuidados pessoais 1,0%
Informática e tablets 1,0%
Jogos 0,6%
Livros 0,5%
Bebidas 0,4%

Fique por dentro do estudo da Foregon

O questionário da Foregon buscou compreender se a Black Friday interfere ou não no comportamento dos entrevistados, assim como fatores que influenciam suas decisões de
compra, dentre outros aspectos.

Vale ressaltar que, dentre os que responderam a pesquisa, a faixa etária de 25 a 44 anos foi a maioria, somando 53,1%.

A região do Brasil que mais teve representatividade foi o Sudeste porque concentrou 31,3% dos entrevistados, acompanhado pelo Nordeste com 28,4% e Sul, com 17,1%.

Já em relação ao perfil das pessoas, o destaque fica por conta do público feminino que teve 52,2% de participação. Logo em seguida, os homens com 47,8%.

Você vai gostar de ler

Se você vai presentear um ente querido, é interessante conhecer algumas dicas para facilitar essa compra, independentemente da época do ano. Veja alguns conteúdos que falam a respeito disso:

Descomplicamos?

Conte pra gente: você tem o costume fazer compras de fim de ano para presentar sua família ou amigos? Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Janaína Tavares

Jornalista e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, a Janaína (ou Jana). Como redatora, ama os conteúdos sobre dicas financeiras. Preza pela checagem de todas as informações e o conteúdo perfeito para ela, é aquele que ajuda o leitor a resolver um problema, ensinando e orientando o leitor a tomar a melhor decisão.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

85% das pessoas que instalam apps dos bancos digitais não viram clientes, diz pesquisa

Consumidor busca banco digital pela baixa burocracia, diz pesquisa

Conheça 15 aplicativos que vão te ajudar a economizar

Mais brasileiros montaram reserva de emergência durante a pandemia

Comparativo: Nubank Ultravioleta ou C6 Carbon?

Pesquisa aponta que número de jovens que se tornaram MEIs na pandemia aumentou

Gig economy: conheça o novo modelo de trabalho

Como o aumento do dólar pode impactar sua vida em 2021?