Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Cadastro Positivo reduz juros aos consumidores, afirma BC

Por Camila SilveiraPublicado em

De acordo com o Banco Central (BC), o Cadastro Positivo, sistema de compartilhamento de dados dos usuários do sistema bancário, diminuiu as taxas de juros aos consumidores nos últimos meses de 2021. O órgão enviou um relatório ao Congresso Nacional com os benefícios da lei aprovada em 2019.

Para um melhor entendimento sobre o sistema, os consumidores que tinham pontuação no Cadastro Positivo anteriormente registraram um spread bancário, ou seja, uma diferença entre a taxa que os bancos pagam para obter dinheiro e os juros que são cobrados dos clientes.

As pessoas que estavam cadastradas no sistema teve 10,4% de taxa de juros a menos do que as que não estavam cadastradas. Ou seja, no momento de solicitar um empréstimo ou financiamento para os bancos, esses usuários conseguiram ter acesso a taxas de juros menores.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Como o Cadastro Positivo funciona?

Os consumidores não precisam fazer nenhum cadastro para serem incluídos no sistema, essa inclusão acontece de forma automática. Dessa forma, o Cadastro Positivo atribui notas de crédito aos consumidores brasileiros e essas notas são usadas como referência no momento de solicitar empréstimos ou abrir crediários, por exemplo.

A cada conta paga até a data de vencimento, o consumidor vai somando pontos e, como resultado, criando um histórico de bom pagador. De acordo com o texto da lei, serão avaliados os "dados financeiros e de pagamentos, relativos a operações de crédito e obrigações de pagamento adimplidas ou em andamento".

Pelo fato da inclusão ser automática, os consumidores que não quiserem ter seus dados incluídos no Cadastro Positivo podem solicitar a retirada. Esse pedido deve ser realizado junto aos órgãos de proteção ao crédito, como o Serasa, SPC e Boa Vista.

De acordo com o Banco Central, o processo de implementação ainda está incompleto. Até o momento, a maior parcela das informações usadas para os modelos que definem as pontuações de crédito é proveniente das instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central.

Melhor dizendo, a maioria das informações dos consumidores que estão no Cadastro Positivo são compartilhadas pelas instituições financeiras.

"Ainda faltam as informações de prestadores de serviços continuados de telecomunicações, além de grande parte das informações provenientes de outras fontes, tais como prestadores de serviços continuados de eletricidade e de gás. A comercialização das pontuações com informações provenientes do Cadastro Positivo de pessoas naturais cadastradas iniciou-se no primeiro trimestre de 2020, às vésperas da pandemia da Covid-19", afirmou o BC.

Gostou do conteúdo?

Esperamos ter ajudado você com esse artigo. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

PicPay compra 100% do Guiabolso com foco no open banking

Procon-SP: bancos deverão provar segurança dos aplicativos

Netflix altera preço da assinatura: confira os novos valores

Junção de Open Banking com Pix: tudo o que você precisa saber

Oportunidade: WTK Agro oferece 400 vagas de emprego

banQi pode liberar empréstimo pessoal para negativados e desbancarizados; entenda

Por que o Brasil sofre um aumento no preço do combustível?

Banco Bradesco eleva taxa de juros do financiamento imobiliário: saiba mais