Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Como os apagões podem prejudicar economia em 2022?

Por Nara LimaPublicado em

Paulo Feldman, ex-presidente da Eletropaulo, afirmou em entrevista concedida à CNN que é inevitável que o Brasil tenha apagões ainda em 2021 e que a crise hídrica afetará diretamente a economia no próximo ano.

O país vive a pior crise hídrica dos últimos 90 anos, sendo que a maior parte dos reservatórios opera no limite. Esse impacto já pode ser sentido na conta de energia. 

"Há um risco de termos apagões porque estamos com os níveis dos reservatórios muito baixos e precisaríamos que chovesse muito agora, o que não vai acontecer. Então é inevitável que tenhamos alguns apagões pelo Brasil afora. Isso é lamentável, porque vai prejudicar a economia brasileira e é capaz que piore a inflação, porque com a falta de energia, haverá um encarecimento ainda maior da tarifa, e a energia elétrica repercute em tudo", afirmou Feldman à CNN.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

O cenário poderia ser melhor se medidas tivessem sido tomadas há dois anos, quando a estiagem já era prevista. De acordo com o ex-presidente da Eletropaulo, algumas medidas poderiam ter sido tomadas para evitar o cenário atual e o que está por vir.

Além de ter começado o racionamento há alguns meses, as termelétricas deveriam ter sido ligadas com mais antecedência.

"Elas são usadas para substituir a energia hídrica, que vem da água, mas deixamos para ligá-las há poucos meses, muito em cima da hora. Se tivéssemos ligado há dois anos, teríamos poupado água", diz.

Feldman ainda afirma que, infelizmente, providências mais rígidas deverão ser tomadas, como racionamento e aumento ainda maior da tarifa de energia elétrica. Outro ponto preocupante é que, provavelmente, o Brasil terá que comprar energia de países vizinhos (Paraguai e Argentina), assim como foi feito em 2001.

Horário de verão

Paulo Feldman complementou suas falas e diz ser a favor a volta do horário de verão, no entanto, ele afirma que o impacto causado é mínimo levando em conta as condições em que a crise hídrica se encontra.

"O horário de verão tem um impacto de 1% de energia. Claro que atenua a crise, mas é muito pouco diante da situação que poderemos ter.", diz Feldman

Gostou do conteúdo?

Muito além de descomplicar a sua vida financeira, nós queremos te manter informado a respeito de todas as notícias do mercado atual. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe seu comentário aqui embaixo.

Até mais!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Nara Lima

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, gosta de escrever sobre educação financeira. Preza pela facilidade da leitura e pela checagem das informações, buscando produzir um conteúdo de leitura simplificada e que sane as dúvidas do leitor.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Uber cobrará mais caro para quem quer ser atendido com prioridade; entenda

INSS garante direitos para motoristas de aplicativo

Méliuz: novo cartão deve ser lançado em janeiro 2022

Vivo oferece vagas de emprego presencial e home office; confira

Banco BV oferece novas funcionalidades através do teclado do celular: entenda

Nubank permitirá compra e venda de ações direto no aplicativo: saiba mais

PIS/Pasep 2022: veja quais são os valores previstos

Vale-gás: o valor pode cair somente R$ 1,36 para beneficiados