Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos

Compras em supermercados online quase dobraram após o coronavírus

Por Camila SilveiraPublicado em

O isolamento social provocado pelo coronavírus fez com que diversas pessoas precisassem se adaptar a uma nova rotina. A busca por alimentos e produtos de higiene em sites de supermercados foi uma das mudanças no comportamento, no entanto, o setor ainda estava se adaptando ao comércio online no momento em que a procura por delivery aumentou.

Compras em supermercados online quase dobraram

De acordo com uma pesquisa realizada pela consultoria Ebit/Nielse, entre os dias 19 e 25 de março, o crescimento de compras em supermercados online foi de 96%. No mesmo período, todo o comércio digital subiu 13% e a participação dos mercados no setor foi de 4% para 7%. 

Já no período de 23 a 29 de março, as compras em supermercados online apresentou um crescimento de 107% em São Paulo, epicentro da Covid-19 no país. Esses são dados estudados pela Associação Paulista dos Supermercados (Apas).

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Segundo a operadora de cartão de crédito Elo, as compra feitas pela rede em lojas virtuais de supermercados aumentaram em 45% em 1º de abril. A operadora chegou nesse resultado a partir de uma comparação com a média dos dias 5 de janeiro até 22 de fevereiro, período que antecede a chegada da Covid-19.

Demora e falta de produtos em sites de supermercados

O setor de supermercados ainda estava se adaptando ao comércio online, até porque essa nunca foi a sua principal fonte de renda. Alguns especialistas afirmam que as vendas digitais representam entre 1% e 5% do faturamento do setor (Informação retirada do site G1 Globo.com). e isso explica a demora e falta de produtos em alguns sites de supermercados.

Além da demora na entrega de produtos, houve a falta de disponibilidade deles no site e isso intrigou bastante os consumidores. Em muitos casos, as lojas físicas possuíam o alimento, enquanto o e-commerce não.

A justificativa dada foi que cada empresa atua de uma forma e utiliza centros de distribuição específicos para compras online. Para reverter a situação, os supermercados precisariam usar a loja mais próxima do consumidor para realizar as entregas e, assim, ter mais eficácia em seus serviços de delivery.

Gostou do conteúdo?

Esperamos ter ajudado você a entender mais sobre esse assunto! Qualquer dúvida, deixe um comentário para nós e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Trabalhador que recusar tomar vacina pode ser demitido por justa causa

PF deflagra operações contra fraudes no Auxílio Emergencial

Fase emergencial da quarentena no estado de SP: o que muda?

3 coisas que as empresas estão fazendo para superar a crise do Covid-19

5 princípios que devemos aprender em momentos de crise

O Auxílio Emergencial vai voltar em 2021?

Conheça o ‘Auxílio Emergencial’ para moradores da cidade de Belém

O que é necessário para receber a vacina contra o coronavírus?