Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos

Contrato de gaveta: entenda o que é e quais os riscos

Por Thais SouzaPublicado em

O contrato de gaveta começou a ser utilizado no país nos anos 90 e ganhou fama por conta da facilidade de adquirir um imóvel sem a necessidade comprovar renda ou de pagar todas as taxas que são inclusas em um processo comum de venda.

Apesar de ser vantajoso para o comprador e facilitar a venda do proprietário, esse tipo de contrato possui muitos riscos. Continue a leitura para saber o que é contrato de gaveta e quais os riscos. 

O que é contrato de gaveta? 

Entende-se por contrato de gaveta o documento informal utilizado para registrar acordos firmados entre duas partes, mas sem a interferência de terceiros.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

O contrato de gaveta é comumente utilizado na compra e venda de imóveis, principalmente quando o comprador possui um valor para dar de entrada, mas não é aprovado em um financiamento do banco, por não atender aos requisitos da instituição financeira em questão. 

Assim, esse documento comprova a compra e venda de um imóvel sem a necessidade de registro no cartório de imóveis, sem interferências externas, como instituições bancárias ou imobiliárias, nem de taxas.

Quando duas partes firmam um contrato de gaveta, o proprietário tem posse do imóvel até a quitação do financiamento, já que a propriedade permanece em seu nome.

Quais os riscos de um contrato de gaveta? 

Apesar da simplicidade, o contrato de gaveta possui um grande risco para o comprador e vendedor. Como dito anteriormente, um contrato de venda convencional deve ser registrado no cartório imobiliário, portanto, se houver algum problema, os envolvidos podem recorrer aos registros. 

Já no contrato de gaveta, esse registro não ocorre. Assim, qualquer problema em relação ao imóvel, o comprador pode perdê-lo, já que o imóvel fica no nome do proprietário até a quitação da dívida.

Para explicar melhor, imagine o exemplo a seguir: Márcia faz o financiamento no banco para adquirir um imóvel em seu nome. Porém, ela não consegue pagar a dívida e vende esse imóvel para seu primo através do contrato de gaveta, sem conhecimento do banco que concedeu o financiamento. 

Então, seu primo é quem vai ficar responsável pelas parcelas, ele irá pagar o valor mensalmente para Márcia e ela irá repassar para o banco. Enquanto ele não pagar todas as parcelas, o imóvel ficará registrado no nome de Márcia. Assim, se seu primo deixar de pagar as prestações, o banco tomará o imóvel e os dois saem perdendo. 

Por isso, o ideal é avaliar muito bem se é vantajoso fazer esse contrato e o quanto você poderá perder ou ganhar com isso.

Descomplicamos? 

Ficou com alguma dúvida sobre o contrato de gaveta? Deixe seu comentário abaixo que a gente descomplica para você. Confira também: 

Boa leitura e até a próxima! 

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Thais Souza

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos relacionados a investimentos e empréstimos e acredita que esse tipo de conhecimento pode mudar a vida das pessoas. Busca impactar a vida de pessoas que buscam resolver um problema ou conhecer melhor um produto ou serviço financeiro.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Três formas de ganhar dinheiro com o App Clubhouse

Saiba como emitir a segunda via da conta Vivo

Nota 200 reais: saiba como identificar uma cédula falsa

Nota de R$200: saiba tudo sobre

Consumo: o que é e quais os tipos?

O que é Certidão do FGTS?

Como escolher o banco digital ideal

Como conseguir cartões lucrativos sem anuidade

  1. Home
  2. Conteúdo
  3. Dicas financeiras