Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos

Coronavírus: entenda a MP 936 que permite a redução salarial

Por Camila SilveiraPublicado em

Muitas empresas estão enfrentando dificuldades devido à crise do novo coronavírus e, para evitar demissões em massa, o governo anunciou a Medida Provisória 936. Essa medida visa a redução de jornadas e salários, além da suspensão de contrato de trabalho dos colaboradores para esse período de turbulência. 

A MP 936 garante a manutenção dos empregos em tempos de calamidade pública e permite a redução de salário, jornadas e suspensão de contratos de trabalho por tempo determinado. Para compensar os trabalhadores afetados, a Medida Provisória cria um benefício remunerado pelo governo e oferece estabilidade no emprego. 

Redução salarial e suspensão de contrato: entenda a diferença

A redução salarial apenas ocorre quando o funcionário continua trabalhando, com a sua jornada reduzida e sem alteração no valor da hora trabalhada. Por exemplo: o colaborador que trabalhava 8 horas por dia e que passou a cumprir a carga horária de 4 horas, teve a redução da jornada de 50%, portanto, receberá metade do salário.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Na suspensão do contrato, o empregado pode ficar sem trabalhar por até 60 dias e deixar de receber o salário. Durante esse período, ele receberá uma ajuda do governo e, dependendo da circunstância, da empresa também. Entenda que o limite da redução de salário, da suspensão e o valor do benefício pago pelo governo dependem da quantia que o trabalhador ganha. 

MP 936: para quem recebe até R$ 3.135

Redução de jornada/salário por acordo individual

  • Redução de 25%, 50% ou 70%;
  • Por até 90 dias;
  • Governo pagará ajuda igual de 25%, 50% ou 70% do seguro desemprego;
  • Empresa pode dar "ajuda compensatória" (valor depende do acordo);
  • Garantia de emprego durante redução e depois. 

Redução de jornada/salário por acordo do sindicato

  • Redução em qualquer percentual, desde que o salário não fique abaixo do mínimo;
  • Por até 90 dias;
  • Sem benefício do governo se redução for menor que 25%;
  • Governo pagará ajuda igual a 25%, 50% ou 70% do seguro desemprego;
  • Empresa pode dar "ajuda compensatória" (valor depende do acordo);
  • Garantia do emprego durante redução e depois.

Suspensão de contrato por acordo individual

  • Até 60 dias que podem ser divididos em dois períodos de 30;
  • Governo pagará ajuda no mesmo valor do seguro desemprego;
  • Empresa deve continuar pagando benefícios;
  • Empresa pode dar "ajuda compensatória" (valor depende do acordo);
  • Garantia do emprego durante suspensão e depois. 

MP 936: para quem recebe entre R$ 3.135 e R$ 12.202,12

Redução de jornada/salário por acordo individual

  • Redução de 25%;
  • Por até 90 dias;
  • Governo pagará ajuda igual a 25% do seguro desemprego;
  • Empresa pode dar "ajuda compensatória" (valor depende do acordo);
  • Garantia do emprego durante redução e depois.

Redução de jornada/salário por acordo com sindicato

  • Redução em qualquer percentual;
  • Por até 90 dias;
  • Sem benefício do governo se redução for menor que 25%;
  • Governo pagará ajuda igual a 25%, 50% ou 70% do seguro desemprego;
  • Empresa pode dar "ajuda compensatória" (valor depende do acordo);
  • Garantia do emprego durante redução e depois.

Suspensão do contrato por acordo individual

  • Não é permitida.

Suspensão do contrato por acordo com sindicato

  • Por até 60 dias que podem ser divididos em dois períodos de 30;
  • Governo pagará ajuda no mesmo valor do seguro desemprego;
  • Empresa deve continuar pagando benefícios;
  • Empresa pode dar "ajuda compensatória" (valor depende do acordo);
  • Garantia do emprego durante suspensão e depois.

MP 936: para quem recebe acima de R$ 12.202,02

Redução de jornada/salário por acordo individual

  • Redução de 25%, 50% ou 70%;
  • Por até 90 dias;
  • Governo pagará ajuda igual a 25%, 50% ou 70% do seguro desemprego;
  • Empresa pode dar "ajuda compensatória" (valor depende do acordo);
  • Garantia do emprego durante redução e depois.

Redução de jornada/salário por acordo com sindicato

  • Redução em qualquer percentual, desde que salário não fique abaixo do mínimo;
  • Por até 90 dias;
  • Sem benefício do governo se redução for menor que 25%;
  • Governo pagará ajuda igual a 25%, 50% ou 70% do seguro desemprego;
  • Empresa pode dar "ajuda compensatória" (valor depende do acordo);
  • Garantia do emprego durante redução e depois.

Suspensão do contrato por acordo individual

  • Por até 60 dias que podem ser divididos em dois períodos de 30;
  • Governo pagará ajuda no mesmo valor do seguro desemprego;
  • Empresa deve continuar pagando benefícios;
  • Empresa pode dar "ajuda compensatória" (valor depende do acordo);
  • Garantia do emprego durante suspensão e depois.

Suspensão do contrato por acordo com sindicato

  • Até 60 dias que podem ser divididos em dois períodos de 30;
  • Governo pagará ajuda no mesmo valor do seguro desemprego;
  • Empresa deve continuar pagando benefícios;
  • Empresa pode dar "ajuda compensatória" (valor depende do acordo);
  • Garantia do emprego durante suspensão e depois.

Qual é o valor da ajuda do governo?

A ajuda oferecida do governo é calculada com base no seguro desemprego que o funcionário teria direito se fosse demitido, portanto, quanto maior a redução do salário, maior será o valor da ajuda. Confira qual será o valor, sabendo que o piso do seguro desemprego é de R$ 1.045.

  • 25% de R$ 1.045: valor equivalente a R$ 261,25;
  • 50% de R$ 1.045: valor equivalente a R$ 522,50;
  • 70% de R$ 1.045: valor equivalente a R$ 731,50.

Entenda que o valor máximo da ajuda é o teto do seguro desemprego (R$ 1.813,03) – valor pago para quem tiver o contrato do trabalho suspenso.

Quem está sujeito à MP 936?

  • Empregados com carteira assinada que trabalham na iniciativa privada;
  • Empregados domésticos;
  • Trabalhadores com contrato intermitente.

Quem não tem direito à ajuda do governo?

  • Ocupantes de cargo ou emprego público;
  • Recebedores de BPC ou seguro desemprego;
  • Políticos com mandato.

A medida vale para funcionários públicos?

A MP 936 não é válida para funcionários públicos e também não se aplica aos empregados das estatais, sejam empresas públicas ou sociedades de economia mista.

Descomplicamos?

Esperamos ter esclarecido todas as suas dúvidas. Consulte outros conteúdos da Foregon sobre o coronavírus e mantenha-se sempre informado:

Deixe um comentário e até a próxima! 

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Trabalhador que recusar tomar vacina pode ser demitido por justa causa

PF deflagra operações contra fraudes no Auxílio Emergencial

Fase emergencial da quarentena no estado de SP: o que muda?

3 coisas que as empresas estão fazendo para superar a crise do Covid-19

5 princípios que devemos aprender em momentos de crise

O Auxílio Emergencial vai voltar em 2021?

Conheça o ‘Auxílio Emergencial’ para moradores da cidade de Belém

O que é necessário para receber a vacina contra o coronavírus?