Foregon.comConteúdos
    1. Dicas financeiras

    Direitos do funcionário na demissão por justa causa

    Por Jennifer FigueiredoPublicado em
    Compartilhe

    Certas atitudes são consideradas proibidas no ambiente de trabalho e, ao passar dos limites, a penalidade ao funcionário pode chegar à demissão por justa causa. Essa é uma situação que nenhum trabalhador deseja passar, pois ele perde todos os direitos e benefícios que teria caso o processo de dispensa fosse de forma regular. Entenda as regras para a categoria. 

    O que é demissão por justa causa? 

    Quando o empregado deixa de cumprir as tarefas de maneira adequada, infringe regras da empresa, princípios gerais de bom convívio ou desrespeita alguma norma repetidas vezes, são motivações para que sofra a demissão por justa causa. Neste caso, o funcionário sofre prejuízos e perde boa parte de seus direitos. 

    Dentre os benefícios que se perde, está o saque do FGTS e a multa de 40% sobre o fundo. Além de não haver 13º proporcional, o funcionário também perde o direito de cumprir aviso prévio e recorrer ao seguro desemprego. 

    Imperdível
    Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade3.521 pessoas já pediram
    Ver cartão
    Encerra em 16:20

    Vale lembrar que a demissão por justa causa é a penalidade máxima para o funcionário, tendo que ser avaliado com cautela quanto a gravidade e proporção do ato cometido. Chegar atrasado por exemplo, é um algo justificável e uma advertência  pode ser suficiente para alertar o trabalhador, enquanto um furto comprovado na empresa, é motivo de demissão por justa causa. 

    Situações que levam à demissão por justa causa 

    Algumas atitudes puníveis estão previstas no artigo 482 da Lei nº 5.452 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), são elas: 

    • Ato de improbidade: é toda ação desonesta, omitida pelo empregado como abuso de confiança, fraude ou má-fé, visando vantagem para si ou para outra pessoa;
    • Ato de indisciplina ou de insubordinação: deixar de acatar ordens diretas de seus superiores, uma vez que o funcionário não pode se recusar a cumprir com o que é solicitado. Exceto em casos de atitudes antiéticas e ilegais;
    • Concorrência: aprender a executar um serviço no trabalho e oferecer mão de obra mais barata, por conta própria, sem permissão do empregador, criando uma concorrência com a própria empresa;
    • Embriaguez: seja habitual ou em serviço, é proibido comparecer bêbado ao trabalho;
    • Violação de segredo da empresa: divulgar informações técnicas, financeiras e todo assunto sigiloso para se beneficiar ou beneficiar à outro, é estritamente proibido;
    • Agressão física ou verbal: ofender ou agredir outro funcionário da empresa, dentro ou fora do local de trabalho;
    • Prática constante de jogos de azar: usar desta prática para ganhar dinheiro;
    • Abandono de emprego: faltar mais de 30 dias sem prestar satisfação. 

    Direitos do funcionário 

    Apesar da perda de muitos benefícios, o trabalhador ainda possui alguns direitos ao ser demitido por justa causa: 

    • Saldo de salário: ao ser dispensado, o funcionário tem direito a receber os dias trabalhados no mês. O mesmo ocorre com salários atrasados, já que houve o trabalho efetivo e não recebido;
    • Férias vencidas e 1/3 constitucional: o funcionário tem direito a receber férias vencidas ainda que sua demissão tenha sido por justa causa;
    • Salário-família: um direito ao trabalhador com baixa renda em que é pago um determinado valor de acordo com o número de filhos, menores de 14 anos e/ou inválidos.
    Gostou? Deixe seu curtir
    Compartilhe nas suas redes sociais

    Leia a seguir

    • Dicas financeiras

      Limpar seu histórico na Serasa vale a pena?

    • Dicas financeiras

      A Proauto Seguros é confiável?

    • Dicas financeiras

      Shoploop: conheça a nova ferramenta de compras do Google

    • Dicas financeiras

      Sicredi: vantagens do financiamento para Energia Solar

    Ver mais conteúdos

    Veja o que estão comentando