Como fazer economia doméstica?

Eu sei. As contas vão acumulando, o dinheiro não dura até o final do mês e tudo parece que não tem solução. Mas, a boa notícia para você que deseja sair dessa “espiral” da dívida, é que você pode adotar a economia doméstica. Um ótimo meio para começar a se organizar financeiramente.

Conta para mim, como você se sente quando você olha para aquelas dívidas e ao mesmo tempo para o dinheiro na conta? É tranquilo e seus deveres estão em dia, ou seria bom e necessário trocar alguns hábitos?

É normal encontrar pessoas tristes por causa das dívidas. Elas nos abatem, deprimem e muitas vezes nos fazem desenvolver pensamentos ruins ou atitudes extremas. Isso acontece quando não é possível encontrar uma saída para o momento de crise.

Olha, temos algumas notícias boas para você que quer se livrar de todo esse mal aí que a falta de equilíbrio entre contas e dinheiro podem causar. São dicas bem práticas e fáceis. Eu pensei em você e em nosso cotidiano. Por isso, fica tranquilo, não vai ser nada difícil!

Economia doméstica? Como eu faço isso?

Pensando no sentido literal da palavra, já podemos ter uma pista. Economia doméstica é aquele esforço que fazemos para as contas ficarem menores, isso, dentro de casa.

Parar um tempinho para replanejar é essencial e faz bem a suas finanças. É um momento onde você descobre a sua vida financeira e consegue enxergar o que pode estar dando errado no seu orçamento.

Praticamente, a economia doméstica está “debaixo do nosso nariz”. O que na maioria das vezes atrapalha, é a falta de organização e hábitos que levamos com o tempo. Por aí é assim também?

Vamos para os primeiros passos?

Eu disse que é hora de deixar tudo mais claro e enxergar as coisas, né? Pois bem, nesse primeiro momento, você deve procurar saber como anda de verdade a sua vida financeira e organizá-la.

Como fazer isso?

Você não precisa daquelas planilhas ou métodos mirabolantes. Caso saiba montar uma boa tabela no computador, ou tenha aquele parente que manda bem na informática, pede esse favor. Senão, um caderninho mesmo já serve, viu!

Nessa planilha ou caderno, você precisa conhecer os seus gastos fixos e variáveis. Ou seja, os fixos, são os gastos que você já sabe o quanto tem que desembolsar. Seja aluguel, contas de casa, supermercado e impostos, por exemplo.

Dessa forma, é possível saber o quanto vai sobrar dos seus ganhos. Assim, você começa a ter menos “sustos” com as contas inesperadas e sabe se pode ter um jantarzinho mais especial no mês.

Aliás, se sobrar um dinheiro, é sempre válido começar uma reserva de emergência. Nem que você deixe bem pouquinho guardado por mês. Essa atitude te deixa um pouco mais tranquilo naquelas situações chatas, como uma reforma urgente na casa ou o carro que quebrou.

Olha outras coisas que te ajudam na economia doméstica

Uma boa economia doméstica é evitar que você perca dinheiro em pequenas coisas, mas que mês a mês vão somando, e no final do ano somam um valor que você nem imagina.

Um desses exemplos são os juros. Você já parou para pensar o que paga aos bancos somente por emprestar crédito? O cheque especial por exemplo, é um vilão que você deve ficar bem atento.

Eu sei que o cheque especial pode dar um alívio, mas longe de te salvar. Essa modalidade de crédito pode apresentar juros altíssimos e, quanto mais tempo você leva para cobrir o empréstimo, mais paga pelos juros.

E por que devo ficar atento ao cheque especial? Porque ele é uma modalidade fácil de empréstimo. Não precisa pedir, é só passar do limite da sua conta.

Você viu que é preciso estar atento aos pequenos erros do dia a dia e vilões que se escondem de suas vistas, mas que atrapalham e muito a sua vida financeira. Outro ponto importante que eu destaquei para você durante a nossa conversa, foi de que é preciso mudar alguns hábitos.

Pensando em te ajudar em algumas mudanças que você pode começar a praticar, separei 6 dicas especiais para sua economia doméstica sair de vez! Da uma olhadinha:

1 – Não saber o que quer

Se você não tem um objetivo, dificilmente saberá onde deve chegar. Imagine que você deve fazer uma viagem, mas não sabe para onde vai. O que você faz? Fica parado no mesmo lugar!

E isso acontece com a sua vida. Sem objetivos definidos, fica difícil saber onde você está e para onde vai – falando financeiramente. Defina seus objetivos, sonhe, planeje e conquiste!

2 – Metas para chegar lá

Depois que você formou objetivos e sabe onde deve ir, é hora de entender quais degraus devem ser construídos. Ou seja, para chegar a um ponto alto, você deve ir conquistando os mais baixos. Pouco por vez.

E não se desespere se precisar dar uma revisada nas suas metas. Vá alinhando mensalmente. Uma conta a menos, um valor economizado por mês e assim por diante. Caso não tenha alcançado sua meta, ajuste para conseguir no próximo.

3 – Começar e não terminar

Sabia que começar e não terminar seus planos, projetos, etc. podem perturbar o seu orçamento doméstico? Começar projetos, geralmente dependem de investimento. Quando você abandona no meio, perde dinheiro.

Isso se torna um problema para muita gente. Algumas, costumam deixar diversos planos pelo meio. Um mau hábito.

Economizar em casa também ajuda muito!

4 – Energia

Para quem tem mais de uma ou duas pessoas em casa, precisa redobrar a atenção quanto ao consumo de energia. Você pode ter uma boa economia se adotar novos hábitos. Desde desligar as luzes onde não tem ninguém, tirar aparelhos da tomada e até reduzir o tempo de banho e temperatura do chuveiro.

Você já ouviu por aí que o chuveiro é um dos que mais consomem energia? Isso é verdade. E quanto mais quente, mais caros saem os banhos!

5 – Tarifas bancárias

Você costuma ficar atento às tarifas bancárias? Elas estão ali, escondidinhas no extrato. Mas, é preciso abrir o olho e sempre conferir. Esses valores tendem a ficar mais caros a cada mês, além de muitas vezes estarem inclusos sem a permissão do cliente.

Analise aqueles “seguros” que vem inclusos nas contas, serviços que você não usa e paga. Ficou em dúvida se isso faz você gastar? Some todos esses valores a mais que você não usa mensalmente e multiplique por 12. Assim você descobre o quanto gasta anualmente com tarifas bancárias.

6 – Serviços por assinatura

Presta atenção nessa dica! Para tudo! Serviços por assinatura são um vilão do seu orçamento doméstico. Você imagina o por que?

Simples. Diversas coisas que assinamos, não usamos. Você tem algum serviço que paga sem usar?

Aquele serviço de streaming pela internet que você paga mensalmente e não assiste ou não ouve nenhuma música. Pior, a academia que mensalmente vê o dinheiro, mas você que é bom… nada!

Aliás, academias e outros serviços costumam ter planos anuais. Redobre o cuidado. É bem comum ter uma prévia do serviço gratuitamente. Então, antes de assinar, experimente para ver se gosta. Quem assina plano anual, pode perder muito dinheiro se desistir no meio do caminho.

Novidade!

Extra! extra! Temos uma novidade bem incrível para você que quer aprender a mudar seus hábitos na prática. Saber como lidar com as contas e se educar financeiramente vai ser bem mais fácil.

Nós, do Foregon Edu, estamos chegando com um curso que nem parece curso. Isso mesmo! Nada daquele negócio de falar e falar, ouvir sobre planilhas e processos difíceis. Queremos te ajudar nos pequenos detalhes, de como gerir o próprio dinheiro e mudar sua rotina com o dinheiro.

Estaremos nas 27 capitais brasileiras. Quer saber se a sua cidade está perto e como tudo isso vai funcionar na prática? Logo eu te conto aqui no blog ou em nossas redes sociais!

Até logo!