Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos

Entenda porque o preço dos alimentos elevou a inflação no país

Por Thais SouzaPublicado em

Foi ao mercado e se assustou com os preços de produtos essenciais, como arroz e óleo? Não é novidade que o valor dos alimentos aumentou, e muito, desde agosto deste ano. Contudo, esse fator fez com que a inflação também subisse. Mas, você sabe o porquê disso? Neste artigo vamos explicar tudo para você. 

Por que o valor dos alimentos disparou no país?

Os preços os alimentos elevaram o índice de inflação do mês de setembro, com 0, 64%, sendo quem, em agosto, estava 0,24%. Mas, o que levou o valor desses alimentos subir? De forma geral, existem duas explicações para isso: 

  • Dólar alto: quando o dólar está alto, os produtores aumentam as exportações, reduzindo a oferta de produtos para o país, assim, automaticamente, os valores sobem;
  • Auxílio Emergencial: o Auxílio Emergencial de R$ 600 fez com que os brasileiros consumissem mais. Com a produção sendo exportada, a lei da oferta e procura se aplica, deixando esses alimentos ainda mais caros.

Por que o preço dos alimentos elevou a inflação?  

Muitas pessoas acreditam que o valor dos alimentos aumentou por conta da inflação, quando na verdade, é ao contrário. O grupo "Alimentação e Bebidas" foi o responsável para que o índice da inflação de setembro atingisse sua maior alta em 17 anos.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

A inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é o índice que serve de baliza para o sistema de metas de inflação, atingiu nos últimos 12 meses, 3,14% acima do mesmo período no ano passado.

Isso acontece por conta do movimento de alimentos, que por estarem mais caros, faz com que muitas pessoas comprem mais, para uma demanda pequena, por conta das exportações – o que eleva o índice da inflação no país. 

Itens de cesta básica tiveram as maiores altas

As maiores altas no mês de setembro foram os alimentos essenciais, aqueles que vêm em cestas básicas e que são mais consumidos por todas as classes sociais. Confira:

  • Óleo de soja: 27,54%;
  • Arroz: 17,98%;
  • Tomate: 11,72%;
  • Feijão mulatinho: subiu 32.6%;
  • Abobrinha: subiu 46.8%;
  • Leite: 6,01%.

Por outro lado, caíram, no mês de outubro, os preços da cebola (- 11,8%), da batata (- 6,3%), do alho (- 4,54%) e das frutas (- 1,59%).

Dica Foregon

Com o preço dos alimentos essenciais lá em cima, toda dica para a sua economia é válida. Por isso, separamos alguns artigos para você:

Descomplicamos?

Ficou com alguma dúvida? Tem alguma observação? Deixe seu comentário abaixo que entraremos em contato com você. Não deixe de seguir a Foregon no canal do YouTube e também nas redes sociais, Facebook e Instagram, para ficar por dentro das notícias e novidades em primeira mão. Até mais!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Thais Souza

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos relacionados a investimentos e empréstimos e acredita que esse tipo de conhecimento pode mudar a vida das pessoas. Busca impactar a vida de pessoas que buscam resolver um problema ou conhecer melhor um produto ou serviço financeiro.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

A Nextel agora é ‘Claro nxt’: entenda o que mudou

IBGE abre concurso para 204 mil vagas temporárias do Censo 2021

Entenda porque o preço do gás de cozinha aumentou

Conheça os 9 projetos que visam prorrogar o Auxílio Emergencial

MT lança o seguro-desemprego pela internet: confira

Programa de fidelidade da Americanas será gratuito para todos os clientes

Banco Inter faz parceria com Vítreo para oferecer fundos de criptomoedas

Governo edita Medida Provisória que facilitará o acesso a empréstimos

  1. Home
  2. Conteúdo
  3. Notícias sobre economia e finanças