Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos

Eventos e turismo: regras para remarcação durante a pandemia

Por Thais SouzaPublicado em

Em decorrência da pandemia e a quarentena no país, muitos eventos e viagens tiveram que ser cancelados. Com o crescimento nas remarcações, o governo criou uma lei que regulamenta e estabelece novas regras para esses setores. Continue a leitura para entender melhor.

Eventos e turismo: regras para remarcação durante a pandemia

Sancionada em agosto deste ano, a medida provisória regulamenta o adiamento e o cancelamento de serviços, de reservas e de eventos dos setores de turismo e de cultura em razão do estado de calamidade pública decorrente da pandemia do coronavírus. 

Agora, os fornecedores não terão que reembolsar os consumidores se oferecerem a remarcação do evento, como shows e peças, ou créditos para compra de outros serviços da empresa, como ingressos ou pacotes turísticos.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Caso o evento, serviço ou reserva já feitos sejam adiados ou cancelados, a empresa vendedora fica desobrigada a reembolsar o consumidor. Isso desde que assegure a remarcação do evento, serviços ou reservas ou disponibilize um crédito para uso ou abatimento na compra futura para outros eventos, serviços ou reservas.

Eventos e turismo: prazo para remarcação

A lei estabelece que a prestação do serviço, uma hospedagem, passagem aérea ou um show, por exemplo, poderá ser remarcada em até um ano após o fim da situação de calamidade pública. O mesmo prazo se aplica para o uso do crédito concedido ao cliente, quando essa for a solução adotada.

De acordo com o texto, a remarcação dos eventos adiados deverá ocorrer no prazo de 12 meses, contado do fim do estado de calamidade pública, previsto para 31 de dezembro de 2020. 

Eventos e turismo: reembolso 

Caso a empresa e o consumidor opte pelo reembolso, essa devolução poderá ser feita em até um ano após o fim da pandemia. Seja para remarcação ou crédito, as negociações não devem ter custos adicionais, taxas ou multas para o consumidor, desde que a solicitação seja feita dentro de 120 dias, contados a partir da data de comunicação do adiamento ou cancelamento.

Conteúdos para você conhecer

Descomplicamos?

Conta para a gente o que você achou das mudanças para remarcação de eventos e turismo durante a pandemia. E se ficou com alguma dúvida, deixe seu comentário que a gente descomplica para você. Até a próxima! 

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Thais Souza

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos relacionados a investimentos e empréstimos e acredita que esse tipo de conhecimento pode mudar a vida das pessoas. Busca impactar a vida de pessoas que buscam resolver um problema ou conhecer melhor um produto ou serviço financeiro.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Trabalhador que recusar tomar vacina pode ser demitido por justa causa

PF deflagra operações contra fraudes no Auxílio Emergencial

Fase emergencial da quarentena no estado de SP: o que muda?

3 coisas que as empresas estão fazendo para superar a crise do Covid-19

5 princípios que devemos aprender em momentos de crise

O Auxílio Emergencial vai voltar em 2021?

Conheça o ‘Auxílio Emergencial’ para moradores da cidade de Belém

O que é necessário para receber a vacina contra o coronavírus?

  1. Home
  2. Conteúdo
  3. Especial coronavírus