Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Governo pode bloquear R$ 17,5 bilhões do orçamento 2021 para cumprir teto

Por Thais SouzaPublicado em

No final de março o Ministério da Economia anunciou que o governo pode ter a necessidade de bloquear 17,5 bilhões do orçamento de 2021 em despesas não obrigatórias dos ministérios. O objetivo é cumprir a regra do teto de gastos. Continue a leitura para entender todos os detalhes. 

Governo pode bloquear R$ 17,5 bilhões do orçamento 2021

Anunciado no dia 22 de março, um possível bloqueio de bilhões no orçamente focará nos gastos não obrigatórios dos ministérios, ou seja aqueles dos quais o governo tem poder de decisão, como: despesas em saúde, educação, investimentos federais e gastos de custeio, como contas de água e luz. Confira abaixo: 

  • Ações de defesa agropecuária;
  • Concessão de bolsas de estudo (Capes);
  • Pronatec;
  • Emissão de passaportes;
  • Programa Farmácia Popular;
  • Fiscalização ambiental (Ibama);
  • Bolsas para atletas;
  • Aquisição e distribuição de alimentos para agricultura familiar;
  • Despesas administrativas do governo;
  • Investimentos públicos em infraestrutura.

Essas despesas representam uma pequena parcela dos gastos dos ministérios, cerca de 5%. Os 95% restantes são obrigatórios e envolvem custos previdenciários, gastos com salários de servidores e com benefícios sociais, entre outros.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

A necessidade do governo cortar gastos vem de uma norma promulgada pelo Congresso no ano de 2016, que prevê que o aumento do gasto público não pode superar a inflação do ano anterior, com o objetivo de equilibrar as contas federais. 

Caso o bloqueio dos R$ 17,5 bilhões realmente aconteça, ele será feito ao longo do ano. Com isso, as despesas não obrigatórias cairiam para R$ 94,778 bilhões em 2021, o menor valor desde 2008.

Para alguns especialistas em economia, a medida pode ter alguns riscos, podendo afetar principalmente os serviços públicos e investimentos em infraestrutura do governo federal.

"Em uma hora como essas em que estamos vivendo [com a pandemia], o gasto público em investimento é fundamental para reacender a economia, para sair do buraco em que estamos metidos. Em geral, essa regra do teto é um erro e, no momento atual, é mais errada ainda". Raul Velloso, especialista em contas públicas em entrevista para o portal G1.

De acordo com o Ministério da Economia, o relatório divulgado no fim de março tem fins apenas informacionais e de transparência pública. As ações só serão iniciadas caso o orçamento 2021 seja aprovado.

Leia também 

No blog da Foregon você fica por dentro desses e outros assuntos relacionados ao universo financeiro, notícias e muito mais. Aproveite e leia também: 

Esperamos que tenha gostado do artigo. Caso tenha ficado com alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo que entraremos em contato. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Thais Souza

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos relacionados a investimentos e empréstimos e acredita que esse tipo de conhecimento pode mudar a vida das pessoas. Busca impactar a vida dos usuários que buscam resolver um problema ou conhecer melhor um produto ou serviço financeiro.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

PicPay compra 100% do Guiabolso com foco no open banking

Procon-SP: bancos deverão provar segurança dos aplicativos

Netflix altera preço da assinatura: confira os novos valores

Junção de Open Banking com Pix: tudo o que você precisa saber

Oportunidade: WTK Agro oferece 400 vagas de emprego

banQi pode liberar empréstimo pessoal para negativados e desbancarizados; entenda

Por que o Brasil sofre um aumento no preço do combustível?

Banco Bradesco eleva taxa de juros do financiamento imobiliário: saiba mais