Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Governo sanciona lei que cria regras para prevenir o superendividamento dos consumidores

Por Camila SilveiraPublicado em

Foi sancionada, pelo presidente Jair Bolsonaro, a lei que cria regras para prevenir o superendividamento dos consumidores brasileiros. O texto, que teve origem em projeto de lei aprovado no Congresso Nacional, foi sancionado com alguns vetos e ainda será publicado no Diário Oficial da União (DOU).

A lei tem como propósito aperfeiçoar a disciplina do crédito do consumidor e propõe a prevenção e o tratamento do superendividamento, alterando o Código de Defesa do Consumidor e o Estatuto do Idoso. A proposta visa mais transparência nos contratos de empréstimos e busca impedir condutas consideradas extorsivas.

Vetos

A Secretaria Geral da Presidência da República anunciou que foi vetado o item que estabeleceria que, nos contratos de empréstimo consignado, a soma das parcelas reservadas para o pagamento das dívidas não poderia passar de 30% da remuneração mensal do consumidor.

Além disso, esse valor poderia ser acrescido em 5% destinado exclusivamente à amortização de despesas contraídas por meio de cartão de crédito ou a saque por meio de cartão de crédito.

"A propositura contrariaria interesse público ao restringir de forma geral a 30% o limite da margem de crédito já anteriormente definida pela Lei nº 14.131, de 30 de março de 2021, que estabeleceu o percentual máximo de consignação em 45%, dos quais 5% seriam destinados exclusivamente para amortização de despesas contraídas por meio de cartão de crédito ou de utilização com finalidade de saque por meio do cartão de crédito", diz a justificativa do veto.

Homem desconfiado com a mão no queixo

Com o seu score calculado, você descobre o produto financeiro ideal para você!

Calcule o seu score de forma gratuita, rápida e segura e tenha acesso a centenas de cartões de crédito e outros produtos financeiros.
+ 1.267.543 milhões de pessoas já consultaram

Ao criar uma conta você aceita nossos termos de uso política de privacidade. Aceita também receber notificações por e-mail e SMS, que podem ser canceladas quando quiser.

Foi vetado, também, o dispositivo que "estabeleceria que seriam nulas de pleno direito as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de serviços e produtos que previssem a aplicação de lei estrangeira que limitassem, total ou parcialmente, a proteção assegurada pelo Código de Defesa do Consumidor".

De acordo com a justificativa do veto, "a propositura contrariaria interesse público tendo em vista que restringiria a competitividade, prejudicando o aumento de produtividade do País, ao restringir de forma direta o conjunto de opções dos consumidores brasileiros, especialmente quanto à prestação de serviços de empresas domiciliadas no exterior a consumidores domiciliados no Brasil, o que implicaria restrição de acesso a serviços e produtos internacionais".

"Em virtude de a oferta de serviços e de produtos ser realizada em escala global, principalmente, por meio da internet, é impraticável que empresas no exterior conheçam e se adequem às detalhadas e específicas normas consumeristas nacionais".

Outro veto foi ao item que determinaria que seria vedado expressa ou implicitamente, na oferta de crédito ao consumidor, publicitária ou não, fazer referência a credito sem juros, gratuito, sem acréscimo ou com taxa zero.

O governo entende que essa proposta vai contra o interesse público ao proibir "operações que ocorrem no mercado usualmente e sem prejuízo ao consumidor, em que o fornecedor oferece crédito a consumidores, incorporando os juros em sua margem sem necessariamente os estar cobrando implicitamente, sem considerar que existem empresas capazes de ofertar de fato ‘sem juros’, para o que restringiria as formas de obtenção de produto e serviços ao consumidor".

"O mercado pode e deve oferecer crédito nas modalidades, nos prazos e com os custos que entender adequados, com adaptação natural aos diversos tipos de tomadores, o que constitui em relevante incentivo à aquisição de bens duráveis, e a lei não deve operar para vedar a oferta do crédito em condições específicas, desde que haja regularidade em sua concessão, pois o dispositivo não afastaria a oferta das modalidades de crédito referidas, entretanto, limitaria as condições concorrenciais nos mercados", diz a nota da Secretaria Geral.

Descomplicamos?

As informações desse artigo foram retiradas do portal de notícias UOL. Esperamos ter ajudado você com esse conteúdo. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Inter oferece 12% de cashback nas compras feitas na Amazon

Banco do Brasil lança financiamento de iPhone em até 60X

Caixa reduz parcelas de financiamento durante licença maternidade

FGTS poderá ser utilizado para compra de casa popular em 2023

Foregon marca presença no StartupON compondo time de empreendedores da região Oeste do Estado de São Paulo

Ganhe 4% de investback com o cartão XP para abastecer seu veículo

Auxílio Brasil cancelado: conheça os principais motivos

Distrito e Foregon promovem um seminário gratuito sobre Educação Financeira para negócios