Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Investimento: estabelecer metas é essencial para se dar bem

Por Sabrina VansellaPublicado em

Definir metas é um passo essencial para a realização de qualquer objetivo. Quando se tem um sonho, é preciso entender que pequenos — e assertivos — passos levam ao destino final. Com os investimentos não seria diferente, concorda? Somente aqueles que possuem metas claras não desanimam no meio do caminho.

Metas promovem a persistência

Investir é o caminho ideal para alcançar seu objetivo. Nos momentos que o sentimento de desânimo surgir, uma pequena meta pode fazer você driblar um problema recorrente: a dificuldade em pensar a longo prazo. Os seres humanos sempre estão em busca de pequenas realizações que demandam menores esforços e trazem resultados imediatos, por conta disso, a autossabotagem acaba sendo frequente. 

O planejamento deve ser prioridade para que o investimento não seja o último item da sua lista de coisas a fazer. Caso as metas não sejam organizadas, fica mais difícil insistir em algo, principalmente quando o assunto é investimento. Isso geralmente acontece quando não há uma razão específica para cultivar este investimento ou quando não se tem conhecimento de quando poderá ser utilizado esta quantia num determinado prazo.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Acontece que fica ainda mais difícil desistir de um sonho palpável e com metas bem estabelecidas. Para isso, é preciso mudar o pensamento de que o dinheiro serve somente para pagar contas.

Uma dica muito comum para iniciantes, é guardar, no mínimo, 10% do seu salário para reserva financeira ou investimentos. Como este valor estipulado não é acessível para todos, você pode aderir outras "regras de bolso" ao seu planejamento.

Curto, médio e longo prazo

O prazo é um fator determinante para cada metas, mas antes de tudo, você precisa saber que existem três tipos de metas: as de curto, médio e longo prazo.

Caso não exista nenhum prazo pré-estabelecido, as chances de adiar suas ações acabam sendo altas. Por não existir um deadline, você pode acabar não chegando lugar nenhum.

Curto prazo: são de necessidades imediatas ou urgentes e devem ser alcançadas no máximo em alguns meses. Por exemplo, começar a investir mensalmente no Tesouro Direto, quitar dívidas e economizar dinheiro.

Médio prazo: geralmente são alcançadas em um ou dois anos e promovem maiores investimentos. Essa pode ser uma boa opção para organizar uma festa de casamento ou uma viagem internacional.

Longo prazo: necessitam de muito planejamento e investimentos mais altos. Conquistar a aposentadoria, viver de dividendos e comprar uma casa são exemplos que visam um conforto no futuro.

Descomplicamos?

Se gostou do nosso conteúdo, não esqueça de clicar no "like". Faça um comentário caso tenha alguma dúvida ou sugestão. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Sabrina Vansella

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos noticiosos e sobre dicas financeiras. Procura simplificar e melhorar a qualidade de vida dos usuários e, para isso, preza por uma pesquisa assídua e uma escrita clara.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Alugar meu imóvel ou investir em fundos imobiliários?

Portabilidade de investimentos: guia completo

Vale a pena investir em empresas recém-chegadas na Bolsa?

Invista como uma mulher: 5 destaques femininos no mundo dos investimentos

Liquidez diária nem sempre é a melhor para seus investimentos. Entenda

Entenda o que é efeito manada e como ele pode afetar os seus investimentos

Décimo terceiro salário: como e onde investir?

Investimento: opções para curto, médio e longo prazo