Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Junção de Open Banking com Pix: tudo o que você precisa saber

Por Nara LimaPublicado em

Para ampliar o uso do Pix, o Banco Central anunciou mudanças nas transações com sistema de pagamento instantâneo. A partir de setembro, as movimentações poderão ser realizadas por instituições que participam do Open Banking.

O novo serviço vai permitir a movimentação de contas bancárias a partir de diferentes plataformas e não apenas pelo aplicativo ou site do banco onde o consumidor tem conta, facilitando, assim, o processo de aquisição e pagamento do produto.

Para facilitar o entendimento, confira o exemplo a seguir: em vez de o cliente entrar no site da loja, fazer a compra, abrir o aplicativo do banco, pedir a autorização do pagamento e depois voltar a loja, agora, bastará entrar na loja, efetuar a compra e a transação, que ao ser autenticada, se completa. Simples, concorda?

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Confira mais detalhes sobre a junção que promete facilitar a vida de grande parte dos brasileiros.

O que é um iniciador de pagamentos?

Como citado anteriormente, o Banco Central divulgou uma resolução informando as atualizações que o regulamento do Pix vai receber para que possa integrar os iniciadores de pagamentos. Ou seja, além das instituições financeiras, o BC adicionou regras regulatórias para que as empresas também se tornem iniciadores.

O Iniciador de Transação de Pagamentos (ITP) é um tipo de instituição que viabiliza serviços de compra e venda e de movimentação de recursos sem a possibilidade de conceder empréstimos e financiamentos a seus clientes.

De acordo com Bruno Balduccini, sócio do Pinheiro Neto Advogados e especialista em direito bancário e transações financeiras, "O ITP é uma empresa regulada pelo BC que, mediante a solicitação do cliente, poderá executar uma ordem de transação. Ou seja, pode movimentar quantias de uma conta para outra a pedido do usuário. Porém, não pode ‘encostar’ nos valores que está movimentando".

Por que o iniciador foi criado?

O serviço de iniciação de transação tem como principal objetivo facilitar ainda mais a realização de pagamentos e transferências com o Pix e, consequentemente, fortalecer o uso do Pix nos casos que envolvam empresas, especialmente no comércio eletrônico, além de incitar a inovação.

A ideia é que a novidade facilite ainda mais a vida do usuário, proporcionando mais uma opção de escolha na hora que for movimentar seu dinheiro. Outro ponto importante é que seu uso será opcional, ou seja, o usuário só utilizará o sistema quando achar necessário.

Como vai funcionar o iniciador de pagamento?

A junção do Open Banking com o Pix, eliminará passos no processo de pagamentos. Antes era preciso realizar cerca de sete passos para concretizar alguma transação, agora serão necessários somente três.

Outra mudança chega com a compra online ou em lojas físicas, pois, em vez de ser feita a leitura ou copiar o QR Code e usar o Pix Copia e Cola, o usuário será automaticamente direcionado para a tela de autenticação da transação no aplicativo do seu banco e, após a conclusão da transação, será direcionado automaticamente de volta para a loja virtual ou App.

É seguro usar o iniciador?

É sim! O Banco Central impôs algumas regras que exigem que a instituição que queira ser iniciadora seja ao mesmo tempo participante do Pix e do Open Banking, portanto obedeça às respectivas normas, tornando o iniciador de pagamento seguro para a empresa e para o cliente.

Vale lembrar que toda a operação é monitorada, ou seja, sempre será necessário confirmar as transações no ambiente do banco.

O iniciador pode cobrar taxas dos clientes?

Pode sim, no entanto, de acordo com o BC, fica a critério do iniciador de pagamento cobrar algum custo do cliente para efetuar seu serviço. Apesar da decisão ser optativa, a expectativa é que não haja nenhuma cobrança de taxa, já que o Pix é gratuito.

Dúvidas frequentes sobre o Open Banking e Pix – FAQ

Quais dados serão compartilhados no Open Banking?

Se o cliente permitir, será compartilhado informações, como: nome, endereço, saldo e extrato bancário.

Como vai funcionar o Open Banking?

O Open Banking chegou para trazer maior controle de seus dados, podendo compartilhá-los com a instituição financeira que oferecer melhores opções e pacotes de serviços ou produtos.

Como se cadastrar no Open Banking?

O pré-cadastro do consentimento ao open banking está disponível no site do seu banco, internet banking ou aplicativo.

Quantos Pix posso fazer por dia?

Não existe um número máximo de Pix que possam ser feitos num único dia.

Gostou do conteúdo?

Acompanhe o blog da Foregon e fique por dentro de todas as notícias do mundo das finanças. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Nara Lima

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, gosta de escrever sobre educação financeira. Preza pela facilidade da leitura e pela checagem das informações, buscando produzir um conteúdo de leitura simplificada e que sane as dúvidas do leitor.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

C6 Bank abre 500 vagas de emprego em diversas áreas

Covid-19: Câmara aprova isenção de Imposto de Renda para pessoas com sequelas da doença

Facebook renova linha Portal, o novo dispositivo de videochamada

Nubank permitirá que seus clientes tenham mais de um cartão virtual

Open banking: BC define dados que precisam ser detalhados na fase 4

Gás de cozinha: fogão a lenha volta a ser mais usado por brasileiros

Novo Bolsa Família começa a ser pago em novembro

Shell planeja investir R$ 3 bilhões em energia renovável no Brasil