Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

LeftBank o novo banco digital que quer representar a esquerda

Por Sabrina VansellaPublicado em

Esquerda e banco não combinam? A LeftBank surgiu com o intuito de mudar este pensamento! O primeiro questionamento do diretor-geral da fintech Marco Maio – empresa do setor financeiro totalmente digital – é da obrigatoriedade de quase todos financiar empresas como Vivo, Santander, Bradesco, Itaú entre outros, e acaba não apoiando instituições que representam o seu pensamento político.

"A ideia surgiu para romper com a dependência que aqueles que defendem os direitos humanos, a ciência, o meio ambiente e os direitos sociais e trabalhistas, por exemplo, têm em comprar serviços básicos de empresas comprometidas com valores que não são os nossos", afirma Maia. "No Brasil somos mais de 50 milhões de cidadãos identificados com a esquerda. Estamos filiados a sindicatos, associações, cooperativas, organizações sociais…" diz Maia a entrevista para RBA.

A proposta surge em contrapartida com as alianças de outras empresas com o governo atual, como a Havan e a Madeira, por exemplo. Hoje, a LeftBank conta com mais de 2 mil clientes que não querem mais contribuir com o capital tradicional e o objetivo é aumentar ainda mais este número e dar oportunidade a quem pensa com a esquerda.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

O poder das fintechs

As fintechs vieram como uma alternativa aos bancos tradicionais e vieram para ficar. Inspirado na ideia central da Nubank que surgiu no Brasil no governo Dilma Rousseff em 2013. Se adequando a este movimento que veio para ficar, a ideia que foi colocada em prática é a do banco digital sem precisar se movimentar até o banco tradicional. 

Atualmente a LeftBank possui menos regulação do Banco Central por conta de estar no início, mas a medida que o crescimento acontecer, isso mudará. Além disso, Marco Maia compartilha que "se não nos mexermos os bancos tradicionais vão agir como se fintechs fossem, ou bancos digitais", diz, lembrando: o Bradesco comprou o C6 e mais uns dois. O Original da JBS comprou PIC Pay, o Votorantin o Neon, a Pag seguro criou o seu, e por aí vai".

A concorrência

A LeftBank promete um atendimento humanizado e que seja transparente aonde os parceiros têm acesso à emissão de boletos de cobrança, transferência entre contas, via SMS, DOC/TED, PIX e cartão de crédito e pré-pago.

Neste momento, a equipe e os parceiros desenvolveram outro projeto chamado LeftFone. Uma concorrente com os principais serviços de operadora ofertados no mercado. A LeftFone apresenta um diferencial em seu atendimento, cobertura nacional, não exige fidelidade e não contém imposições de cadastro.

Gostou do conteúdo?

Se tiver alguma dúvida ou sugestão, faça um comentário. Até a próxima!

 

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Sabrina Vansella

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos noticiosos e sobre dicas financeiras. Procura simplificar e melhorar a qualidade de vida dos usuários e, para isso, preza por uma pesquisa assídua e uma escrita clara.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Imposto de renda: saiba como sair da malha fina

Aumento da energia: saiba quais são os vilões da conta de luz

Aneel aciona bandeira vermelha em patamar 2 e impacta economia brasileira

Organizze: veja o passo a passo de como usar o aplicativo para controlar suas finanças

A melhor forma de utilizar o dinheiro da restituição do IR 2021

Cashback: guia completo

Dia dos namorados: como economizar?

5 dicas para você cuidar do seu dinheiro e gastar sem culpa