Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

MP aprovada pela Câmara simplifica abertura e administração de empresas

Por Sabrina VansellaPublicado em

A Câmara dos Deputados aprovou uma medida provisória na quarta-feira (23), que pretende facilitar a abertura e a gestão de empresas no país. O texto que agora segue para o Senado, está em vigência desde a publicação pelo Governo Federal.

Para que a MP se torne uma lei permanente, o Congresso deverá concluir sua votação até o dia 9 de agosto.

Um dos grandes objetivos do governo ao editar a proposta é melhorar a posição do Brasil no ranking do Banco Mundial. A classificação, nomeada como "Doing Business", mede a simplicidade de empreender em cada país.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Atualmente, o Brasil ocupa a 124ª colocação entre os 190 países que foram avaliados, segundo o último relatório, realizado em 2019.

"Para que o Brasil alcance a posição desejada no Relatório Doing Business 2022, é necessário implementar as mudanças regulatórias a tempo para que sejam refletidas pelos respondentes no primeiro semestre de 2021 e constem do relatório 2022", diz o Executivo na justificativa enviada ao Congresso.

Confira as mudanças previstas na MP:

  • Emissão automática de licenças e alvarás: para aberturas de empresas de médio risco, o objetivo é de que a emissão não necessite de análise humana. Desde que contenha assinatura de termo de ciência e responsabilidade por parte do empresário;
  • CNPJ como o único número de inscrição fiscal: o objetivo é de que a empresa não necessite realizar a inscrição estadual e municipal se ela conter a federal (CNPJ). O texto afirma, ainda, que os entes federados devem adaptar seus sistemas para que o CNPJ seja a única identificação cadastral;
  • Gratuidade dos órgãos responsáveis pelo registro e legalização: de forma gratuita, o sistema eletrônico com informações deve ser mantido, como a viabilidade do endereço onde a empresa será instalada e a disponibilidade do nome empresarial;
  • Proibição de cobranças: está proibido cobrar dados ou informações que estão disponíveis nas bases de dados do governo federal;
  • Criar o Sistema Integrado de Recuperação de Ativos (SIRA): fica autorizado o Executivo criar o SIRA para facilitar a identificação de bens e devedores do governo federal e, assim, agilizar a recuperação de créditos.
  • Criação de guichê único eletrônico: o intuito é oferecer o guichê para exportadores e importadores para que eles possam encaminhar documentos e informações para órgãos e entidades da administração pública federal;
  • Proibição ao acúmulo de funções: a regra é vigente para as funções de presidente/diretor-presidente e presidente do conselho de administração. Vale também para empresas listadas na bolsa. Segundo a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a proposta pode criar alterações para companhias menores;
  • Prazo para autorização de conexão de eletricidade: o prazo fica estabelecido para cinco dias em via pública e aprovação tácita (permissão para exercer a sua atividade sem qualquer restrição), caso a autoridade não se manifeste;
  • Revogação do trecho de uma lei: a lei de 1996 revogada, é aquela que exige prévia anuência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a concessão de patentes para produtos e processos farmacêuticos.

Cadastro fiscal positivo

O deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP), incluiu na câmara alguns novos dispositivos nas propostas, inclusive a possibilidade de o Executivo ser responsável por criar o Cadastro Fiscal Positivo para empresas. Para aqueles que participam de licitações públicas, as burocracias são longas, mas com essa nova ferramenta fica possível reduzir esses processos burocráticos.

Com a implementação do Cadastro Fiscal Positivo, a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) pode estabelecer convênio com estados e municípios para compartilhar informações após serem obtidas em um único sistema digital.

"Com esse novo sistema, pretendemos desburocratizar a apresentação de documentos comprovando a regularidade fiscal de contribuintes, criamos incentivos para os bons pagadores e melhoramos a gestão de riscos no âmbito da PGFN", afirmou o relator no seu parecer.

Informamos?

Esperamos ter ajudado com essas informações. Se tiver alguma dúvida ou sugestão, faça um comentário. Não esqueça de compartilhar com os amigos e familiares. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Sabrina Vansella

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos noticiosos e sobre dicas financeiras. Procura simplificar e melhorar a qualidade de vida dos usuários e, para isso, preza por uma pesquisa assídua e uma escrita clara.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Tribunal de Justiça de São Paulo abre concurso para 845 vagas de nível médio

Lojas Renner terá conta digital para fidelizar clientes

Oportunidade de emprego: confira mais de 3 mil vagas abertas

Banco Inter disponibiliza cashback para MEI e PJ no cartão de crédito

PicPay compra 100% do Guiabolso com foco no open banking

Procon-SP: bancos deverão provar segurança dos aplicativos

Netflix altera preço da assinatura: confira os novos valores

Junção de Open Banking com Pix: tudo o que você precisa saber