Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Mudanças no Imposto de Renda 2022 pode atingir aposentados do INSS

Por Sabrina VansellaPublicado em

A reforma tributária vem sendo trabalhada pelo Governo Federal. Para a reformulação dos impostos nacionais, a equipe econômica está se reunindo para debater o texto responsável para efetuar essa alteração. Com o propósito de elevar o limite de isenção do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF), o impacto também poderá ser sentido para os segurados do INSS. 

Entre as atividades anuais exigidas aos brasileiros, a prestação de contas para a Receita Federal é uma obrigação importante. Porém, com a reforma tributária, grande parte da população poderá deixar de declarar o IRPF. Foi informado que o limite de isenção deverá subir para R$ 2.500.

Se a medida for aceita, aproximadamente 23.683.780 segurados do INSS não vão precisar pagar mais pelos impostos, dentro deste número, cerca de 15.303.004 já tem mais de 65 anos.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

O que os especialistas pensam?

Apesar da proposta da reforma ser positiva, não significa que necessariamente será o suficiente para amenizar o peso atual dos impostos nacionais. O professor de Contabilidade Tributária do Ibmec/RJ, Paulo Henrique Pêgas, diz que, atualmente, o cidadão aposentado de até 65 anos que ganha uma renda maior que R$ 2.500 não deve ter direito a isenção. 

"Um aposentado com mais de 65 anos, que ganha o teto do INSS, hoje de R$ 6.433,57, também terá redução do imposto. Atualmente, ele paga R$ 188,75. Caso o Congresso aprove a reforma, o recolhimento vai cair para R$ 162,54", diz o professor ao ser entrevistado para o Exame.

"Além de tributar dividendos, corrigir um pouco a tabela, tributar lucros no exterior, a proposta trouxe medidas que pegam grandes contribuintes, fundos fechados. (O texto) também corrige distorções que eram aproveitadas por planejamento tributário abusivo", complementa Kleber Cabral, presidente do Sindifisco Nacional.

Desconto simplificado também pode ser reajustado

O desconto simplificado, que basicamente não considera as despesas informadas pelo contribuinte, também pode sofrer uma mudança. No projeto, a taxação fica limitada em até 20% para quem ganha acima de R$ 40 mil por ano ou R$ 3 mil por mês.

Ao tomar essa decisão, o Governo pretende ganhar cerca de R$ 43,1 bilhões em três anos. Desse total, R$ 13,5 bilhões (2022), R$ 14,2 bilhões (2023) e R$ 15,4 bilhões (2024).

Segundo Claudemir Malaquias, chefe de Estudos Tributários da Receita Federal, "o total das medidas, considerando todo o projeto, vai ter um desempenho positivo de R$ 900 milhões já no ano que vem. Para 2023, a previsão é de R$ 330 milhões. Para o ano de 2024, de R$ 590 milhões".

Informamos?

Caso tenha gostado deste artigo, não esqueça de clicar no curtir. Se tiver alguma dúvida, faça um comentário. Até breve!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Sabrina Vansella

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos noticiosos e sobre dicas financeiras. Procura simplificar e melhorar a qualidade de vida dos usuários e, para isso, preza por uma pesquisa assídua e uma escrita clara.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Junção de Open Banking com Pix: tudo o que você precisa saber

Oportunidade: WTK Agro oferece 400 vagas de emprego

banQi pode liberar empréstimo pessoal para negativados e desbancarizados; entenda

Por que o Brasil sofre um aumento no preço do combustível?

Banco Bradesco eleva taxa de juros do financiamento imobiliário: saiba mais

Reforma Tributária: vale-refeição e vale-alimentação estão em risco?

Alto Tietê reúne mais de 480 vagas de emprego; confira

Caern permitirá pagamento e parcelamento de contas no cartão de crédito