Foregon.comConteúdos

Pensão alimentícia: entenda o que é e quem deve pagá-la

Por Camila SilveiraPublicado em
Compartilhe

De natureza alimentar, a pensão alimentícia é uma medida que tem o propósito de preservar a vida e o bem-estar de quem precisa de sustento e amparo. O valor estipulado judicialmente é feito por meio de cálculos que indicam a quantia que deve ser paga e depositada todos os meses.

Pais e mães são obrigados a pagarem pensão alimentícia?

De acordo com a Constituição Federal do Brasil, tanto homens quanto mulheres têm os mesmos direitos e obrigações no que diz respeito às pensões alimentícias, sendo assim, a responsabilidade de manter o sustento dos filhos ou de pessoas que precisam de suporte é de ambas as partes.

No entanto, é interessante ressaltar que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) adverte que em casos de divórcios ou separações de uniões estáveis, as mulheres ficam com a guarda dos filhos em 90% das vezes, por conta disso que os processos da pensão alimentícia recaem predominantemente sobre os homens (pais).

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Como o valor da pensão alimentícia é determinado?

Primeiramente, o juiz irá avaliar qual é a real necessidade de quem está solicitando a pensão alimentícia e as condições financeiras de quem deve pagar. Feito isso, a pessoa que ficará com a obrigação, deverá depositar o valor ou tê-lo descontado diretamente do salário. No entanto, há outras formas de fornecer o sustento por meio do pagamento.

Quem ficar responsável por pagar a pensão alimentícia poderá entrar em um acordo para pagar de diversas formas, por exemplo: pagamento de mensalidade de escola, plano de saúde, necessidades de vestuário, transporte, entre outras maneiras. No entanto, o juiz precisará permitir para que isso se torne possível.

No momento em que avalia as condições e possibilidades de pagamento de quem deter a obrigação, o juiz leva em consideração a quantidade de filhos que possui, o valor do salário, quantidade de bens e assim por diante. 

Informações básicas sobre a pensão alimentícia

  • O valor da pensão alimentícia não equivale a 30% do salário do responsável;
  • O valor deve ser suficiente para custear necessidades básicas, como: alimentação, estudo e saúde, desde que não prejudique o próprio sustento do pagador.

Quem deve pagar a pensão alimentícia além dos pais?

A Constituição Federal e o Código Civil alegam que a responsabilidade do pagamento da pensão alimentícia não é exclusiva dos pais. Caso haja ausência de um dos dois responsáveis, a obrigação e compromisso poderão ser assumidas por um parente próximo, como irmãos, avós e netos.

De acordo com o artigo 1.697 do Código Civil, os demais parentes, como tios e sobrinhos (parente terceiro grau), tios-avôs e sobrinhos-netos, e os primos entre si (parente quarto grau) não poderiam ser forçados ao pagamento da pensão alimentícia.

Quem pode pedir e receber a pensão alimentícia?

Pode receber a pensão alimentícia o filho, ex-cônjuge, ex-companheiro de união estável e os pais, desde que comprovem suas necessidades em receber o sustento pretendido. Também pode receber a mãe gestante, em nome do bebê que está sendo gerado. De toda maneira, é válido obter mais informações com um advogado especializado na área da família.

Até quando a pensão alimentícia é válida?

A pensão alimentícia deveria durar até quando houver necessidade de quem precisa e possibilidade de quem paga, no entanto, existem alguns limites. Por exemplo: o filho poderá receber até 18 anos, caso não estude. Se estudar, deverá receber até formar-se no curso superior ou completar 24 anos. Se o filho casar, perderá o direito de receber a pensão.

A pensão alimentícia para o ex-cônjuge ou ex-companheiro deve ser provisória, tendo de ser paga enquanto durar a necessidade e houver possibilidade. Será determinado um tempo razoável para que o ex-cônjuge ou ex-companheiro se recoloque no mercado de trabalho, mas isso não dependerá da efetiva recolocação.

O que acontece com quem não paga?

O responsável por efetuar o pagamento da pensão alimentícia que atrasar, no mínimo, três meses sofrerá uma ação de execução de alimentos. Com essa execução, quem paga deverá efetuar o pagamento no prazo de três dias, se não o fizer poderá ser preso por um período de até 90 dias.

Além disso, caso o responsável por prover o sustento não pague, poderá haver desconto em folha de pagamento em renda e expropriação.

De acordo com novas alterações trazidas pelo Novo Código de Processo Civil, o alimentante que não pagar também poderá ser inserido nos cadastros de órgãos de proteção ao crédito, como o SPC e Serasa

A falta de pagamento da pensão alimentícia pode configurar um crime. Se o pagamento for interrompido sem justa causa, o juiz poderá encaminhar o caso para o Ministério Público por abandono material, sob risco de o réu passar quatro anos preso, além de arcar com multas de até dez salários mínimos (R$ 10.450).

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado você com este artigo. Qualquer dúvida, deixe um comentário para nós e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe nas suas redes sociais

Camila Silveira

Estudante de Publicidade e Propaganda e Redatora na Foregon. É fascinada por músicas, livros, conversas e procura entender a real necessidade das pessoas para poder solucioná-la através de seu trabalho.

Ver todos os posts

Leia a seguir

  • Dicas financeiras

    O que é a Click Conta Bradesco?

  • Dicas financeiras

    Faturamento MEI 2020: descubra

  • Dicas financeiras

    Como pagar boleto com PayPal?

  • Dicas financeiras

    Sky pré-pago: conheça e veja se vale a pena

Ver mais conteúdos

Veja o que estão comentando

Principais conteúdos

Principais assuntos

  1. Home
  2. Conteúdo
  3. Dicas financeiras