Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Pesquisa revela que concessão de crédito pelos bancos foi recorde na pandemia

Por Nara LimaPublicado em

De acordo com dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a concessão de crédito pelos bancos em 2020 apresentou índices históricos. Nos meses de março de 2020 e março de 2021, durante a pandemia de Covid-19, o sistema financeiro aprovou um total de R$ 4,5 trilhões em recursos para a economia, apresentando um volume médio de R$ 347,3 bilhões por mês.

Segundo informações divulgadas pelo Banco Central, o volume concedido nesse período foi de 6,3% superior ao volume médio em 2019.

Concessão de crédito na pandemia

Em março de 2021, o estoque de crédito bancário alcançou o maior patamar já registrado antes, atingindo R$ 4,1 trilhões. Quando comparado ao mesmo período em 2020, é possível observar um aumento de 17,8% _ equivalente a R$ 3,5 trilhões.  

Com a crise gerada pela disseminação do coronavírus, a solicitação de crédito vigorou e desempenhou um importante papel durante a recessão, além de ajudar no processo de recuperação da economia atual. 

O Banco Central informou que de março a dezembro de 2020, as instituições financeiras renegociaram cerca de 17 milhões de contratos com operações em dia, apresentando um saldo devedor total de R$ 1 trilhão, enquanto a soma das parcelas suspensas dessas operações reajustadas totalizou quase R$ 150 bilhões.

Taxas de juros e spreads

Além da alta concessão de crédito, as taxas de juros e os spreads mantém patamares baixos, inferiores aos níveis anteriores à pandemia.

A taxa média de juros do Sistema Financeiro Nacional passou de 23% ao ano em fevereiro de 2020 para 20% em março, atingindo sua mínima histórica de 18,1% em setembro. O spread bancário também foi reduzido de 18,5 pp para 15,1 pp, número que se mantém atualmente.

Outro ponto a ser levantado foi sobre a taxa média de inadimplência, que chegou a 2,1% aa em dezembro de 2020. É importante frisar que esse número apresentou variações mínimas até março, e abaixo das taxas registradas nos meses anteriores à crise, quando superavam os 3%.

Descomplicamos?

Esperamos que esse conteúdo tenha sido útil para você. Acompanhe nosso blog e não perca nenhum novidade sobre o mundo das finanças.

Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Nara Lima

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, gosta de escrever sobre educação financeira. Preza pela facilidade da leitura e pela checagem das informações, buscando produzir um conteúdo de leitura simplificada e que sane as dúvidas do leitor.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

PicPay compra 100% do Guiabolso com foco no open banking

Procon-SP: bancos deverão provar segurança dos aplicativos

Netflix altera preço da assinatura: confira os novos valores

Junção de Open Banking com Pix: tudo o que você precisa saber

Oportunidade: WTK Agro oferece 400 vagas de emprego

banQi pode liberar empréstimo pessoal para negativados e desbancarizados; entenda

Por que o Brasil sofre um aumento no preço do combustível?

Banco Bradesco eleva taxa de juros do financiamento imobiliário: saiba mais