Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

PIB: guia completo

Por Thais SouzaPublicado em

É muito provável que você já tenha ouvido falar sobre o PIB, seja na escola, universidade, nas rodas de conversas ou no noticiário. Ele é considerado o principal termômetro da economia de um país. Mas você deve estar se perguntando: "o que o PIB tem a ver comigo?". Na verdade, muita coisa.

Esse indicador econômico pode afetar diretamente a sua vida financeira. Por isso, entender o que é, como funciona e como o PIB é calculado é muito importante. Mas não se preocupe, neste guia completo você vai conferir tudo sobre o Produto Interno Bruto e qual a relação dele com o seu dia a dia. Vamos lá? 

O que é PIB? 

O Produto Interno Bruto (PIB) é um indicador que representa o desempenho econômico de um país. Trata-se da soma de todos os bens e produtos finais produzidos por ele no período de um ano ou um trimestre. Portanto, de forma prática, o PIB é tudo o que um país ou região produz em um determinado período.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

O "P" da palavra PIB refere-se aos produtos finais, os bens produzidos por um país. O "I" de "Interno" está relacionado aos bens e produtos vendidos dentro da área analisada. Já o "B" vem de "Produto Bruto", que tem esse nome pois o indicador não considera o efeito da depreciação, ou seja, o custo do desgaste físico dos bens imóveis. 

No Brasil, o valor do PIB é calculado em reais e essa soma é feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Mas afinal, para que serve esse indicador? 

O PIB é um indicador que avalia o crescimento econômico de um país no período calculado. Ele mostra como anda sua economia em comparação aos anos anteriores e também com outros países do mundo. O PIB anual do Brasil em 2020 teve uma queda de 4,1%. Já no no primeiro trimestre de 2021, houve um aumento de 1,2%.

Como o PIB é calculado? 

Como dito anteriormente, o PIB soma os valores finais de todos os bens e produtos produzidos por um determinado país. Mas, para produzi-los, outros bens são utilizados, como a matéria-prima, por exemplo. Esses itens são chamados de bens intermediários. 

Para o cálculo do PIB é considerado apenas o valor do produto final. Vamos entender como funciona na prática? Imagine que uma família produz bolos para venda e essa é a sua única fonte de renda.

Se fossemos calcular o PIB dessa família, teríamos que considerar apenas o valor final de venda dos bolos em um determinado período, sem os gastos com ovo, farinha e gás, por exemplo. Ou seja, o valor da matéria-prima não entra no cálculo do PIB. Isso acontece para evitar a dupla contagem, já que os valores dos bens intermediários já estariam embutidos no preço final dos bolos.

Simples, não é mesmo? Porém, na hora de calcular o PIB de um país, para chegar a esses dados, o IBGE precisa realizar uma análise minuciosa de pesquisas, balanços e índices, como: 

  • Balanço de pagamentos do Banco Central;
  • índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPA);
  • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA);
  • Declaração de Informações Econômico Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ);
  • Produção Agrícola Municipal (PAM);
  • Pesquisa Anual de Comércio (PAC);
  • Pesquisa Anual de Serviços (PAS);
  • Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF);
  • Pesquisa Industrial Anual – Empresa (PIA Empresa);
  • Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM PF);
  • Pesquisa Mensal de Comércio (PMC);
  • Pesquisa Mensal de Serviços (PMS).

 O que entra e o que não entra no cálculo do PIB

O que entra no cálculo do PIB O que não entra no cálculo do PIB
Bens e produtos finais, que são vendidos ao consumidor final Bens intermediários, como a matéria-prima utilizada na produção
Serviços prestados e remunerados Serviços não remunerados
Investimentos das empresas Bens já existentes, como a venda de um carro usado
Gastos do governo para atender a população As atividades informais e ilegais

Real e nominal: entenda os tipos de PIB 

Basicamente, existem dois tipos de PIB: o real e o nominal. Suas variações definem como será feito o cálculo. Confira abaixo como funciona:

  • PIB real: utiliza-se um ano-base para calcular a variação da produção, por exemplo: para calcular a produção de 2019, toma-se o ano de 2018. A inflação do período não é considerada;
  • PIB nominal: o cálculo é feito a partir dos preços de determinado produto ou serviço no momento em que foram produzidos. Pode considerar a inflação ou deflação.

Por utilizar a inflação, o PIB nominal pode causar uma distorção no cálculo da quantidade de bens e serviços produzida, dando uma ideia equivocada de crescimento da atividade econômica do país. Por isso, o PIB real é o mais utilizado. 

Quais são os tipos de cálculo do PIB

PIB per capita 

O PIB per capita, em latim, "por cabeça" é a divisão do PIB total de um país pelo número de habitantes dele. Esse cálculo é feito para representar o quanto cada indivíduo na economia receberia se o PIB fosse distribuído igualmente para toda a população de um país.

O cálculo do PIB dividido pelo número de habitantes não é um dado definitivo. No entanto, geralmente, quanto maior o PIB per capita, maior o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de um país, o que indica maior qualidade de vida da população e melhores serviços, como: educação, saúde, transporte, alimentação, dentre outros.

PIB trimestral e anual

O PIB de um país é calculado todos os trimestres. Ou seja, são quatro resultados em um ano. Já o anual é a soma do PIB dos quatro trimestres do ano. Ele é o mais utilizado, pois permite uma comparação mais geral com os índices de anos anteriores e também quando comparado ao desempenho econômico de outros países. 

PIB no Brasil

Segundo um levantamento da Austin Rating, o PIB brasileiro ficou em 12º lugar no ranking dos países que mais avançaram economicamente em 2020, sendo ultrapassado por Canadá, Coreia do Sul e Rússia. 

Apesar da colocação no ranking, em 2020 o PIB brasileiro teve um recuo de 4,1%. De acordo com o IBGE, essa queda foi a mais acentuada dos últimos 30 anos, sendo a terceira pior da história do país. 

Atualmente, os estados que mais contribuem para o PIB brasileiro são: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná, respectivamente. 

Em 2021, as projeções são de alta para o PIB brasileiro. De acordo com os economistas do mercado financeiro, conforme o Relatório de Mercado Focus, a expectativa para a economia este ano passou de 5,05% para elevação de 5,18%. 

PIB alto e PIB baixo: o que significa e como afeta sua vida?

Você já deve ter ouvido falar na variação do PIB no Brasil, principalmente em tempos de pandemia. Ele pode aumentar ou diminuir, dependendo diretamente do nível de produção de um país. Abaixo vamos explicar com mais detalhes como essa oscilação afeta a sua vida: 

PIB alto: o que representa?

Quando o PIB de um país está em alta significa que sua atividade econômica está crescendo. Consequentemente, a população consome mais, o comércio se aquece com um maior número de vendas e mais investimentos são realizados. Confira os benefícios abaixo:

  • Renda: mais dinheiro disponível, a economia cresce e o consumo aumenta;
  • Emprego: as empresas crescem, aumentando o número de contratações. Mais empresas abrem as portas, o que gera mais emprego e aquece a economia; 
  • Competitividade: economias em expansão produzem mais, aumentando a competitividade no exterior. Consequentemente os produtos ficam mais baratos, aumentando o poder de compra do consumidor. 

PIB baixo: o que representa?

Já o PIB negativo significa que algo não vai bem na economia de um país. Diversos fatores podem causar essa diminuição, como:

  • Inflação: uma inflação muito alta reduz o poder de compra do consumidor e atrapalha o crescimento das empresas;
  • Tributos: muitos impostos e cobrança de altos valores prejudica o crescimento e abertura de empresas; 
  • Instabilidade na política e economia: gera insegurança nas empresas que, consequentemente, investem menos.

Ou seja, o PIB tem tudo a ver com a qualidade de vida da população. Quando está em alta, mais empregos são gerados, a economia se aquece e o poder de compra aumenta. Porém, quando está em recessão indica a redução do nível de atividade econômica, aumento do desemprego, redução do consumo, da renda familiar e dos investimentos. 

Descomplicamos?

Esperamos que este artigo tenha sido útil para você. Se ficou com alguma dúvida sobre PIB, deixe seu comentário abaixo que a gente descomplica para você. 

Não deixe de seguir a Foregon no canal do Youtube e também nas redes sociais, Facebook e Instagram, para ficar por dentro das notícias e novidades do universo financeiro em primeira mão. 

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Thais Souza

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos relacionados a investimentos e empréstimos e acredita que esse tipo de conhecimento pode mudar a vida das pessoas. Busca impactar a vida dos usuários que buscam resolver um problema ou conhecer melhor um produto ou serviço financeiro.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Dinheiro físico: conheça seus mitos e verdades

Entenda o que é IPCA e IGP-M e saiba quais as diferenças entre eles

Quanto tempo demora para aumentar o score de crédito?

Banco Central lança ferramenta que faz diagnóstico da saúde financeira do brasileiro; saiba mais

É melhor financiar ou alugar?

Renda ativa e renda passiva: saiba quais são as diferenças entre os dois termos

Tarifas bancárias: o que são?

PIB: guia completo