Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Pix: bancos cobram taxa de até R$ 10 por transferência

Por Camila SilveiraPublicado em

Ao mesmo tempo em que o Pix é um sistema de pagamentos e transferências totalmente gratuitos para Pessoas Físicas, ele permite a cobrança de taxa para contas de Pessoas Jurídicas. 

Grandes bancos  como Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander ofereceram, até um determinado período, a isenção de taxa para transferências feitas por empresas, porém, agora as PJs estão sendo cobradas pelas operações.

Por outro lado, a Caixa Econômica Federal e alguns bancos digitais ainda não estão cobrando nada das contas empresariais.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Qual é o valor da taxa cobrada pelos grandes bancos?

Essa cobrança podia variar de uma instituição para a outra, podendo chegar até R$ 150 por operação realizada no Pix, seja para receber ou transferir. Confira a seguir qual é o valor das tarifas cobradas nos grandes bancos do país:

  • Banco do Brasil: para transferências, a tarifa é 0,99% do valor da transação com tarifa mínima de R$ 1 e máxima de R$ 10. Para recebimentos, a taxa é de 0,99% do valor pago, sendo que a taxa mínima é de R$ 140;
  • Bradesco: para transferências, a tarifa é de 1,4% do valor pago, podendo variar entre R$ 1,65 e R$ 9. Para recebimentos por QR Code, a taxa também é de 1,4% do valor da operação, porém, neste caso, a taxa mínima é de R$ 0,90 e a máxima de R$ 145;
  • Itaú: para transferências, a tarifa é de 1,45% do valor da transação, podendo variar entre R$ 1,75 e R$ 9,60. Para recebimentos por QR Code, a taxa é de 1,45% do valor da transação, sendo que a tarifa mínima é de R$ 1 e a máxima, de R$ 150;
  • Santander: para transferências, a tarifa é de 1% do valor da transação, sendo que a mínima é de R$ 0,50 e a máxima, de R$ 10. Para recebimentos por QR Code estático ou dinâmico, a taxa é de R$ 6,54, e com o QR Code via checkout, de 1,4% do valor da transação, com a tarifa mínima de R$ 0,95.

De acordo com a resolução do Banco Central, a cobrança de taxas para operações via Pix é proibida para CNPJ de Empresários Individuais (EI) e Microempreendedores Individuais (MEI).

Além disso, vale ressaltar que, apesar da cobrança da taxa, o pagamento via Pix pode ser uma opção mais vantajosa para o empreendedor, afinal, os valores cobrados são mais acessíveis quando comparados com as taxas das máquinas de cartão de crédito e débito.

Outro detalhe importante é que o valor a ser recebido é creditado imediatamente na conta do lojista, diferente dos pagamentos com cartões que levam dias para serem depositados.

Gostou do conteúdo?

Esperamos ter ajudado você com esse conteúdo. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Pix: como usar o sistema?

Cadastro da chave Pix não é obrigatório

Itaú afirma que Pix está substituindo TED e outras transações: entenda

Pix: função soma R$ 1 tri em transações e responde por metade das transferências

Pix: qual o limite diário de transações?

iFood agora aceita Pixcomo forma de pagamento

Pix Cobrança: entenda como funciona o novo serviço do BC

BC vai liberar estorno de dinheiro pelo Pix em caso de fraudes ou falhas