Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Planejamento financeiro para jovens: como se organizar?

Por Camila SilveiraPublicado em

No momento em que ingressamos no ensino superior e nos inserimos no mercado de trabalho devemos começar a lidar com as próprias finanças para não perder o controle. Ao mesmo tempo, resolver essas questões em uma fase tão nova da vida pode ser um pouco difícil. O que fazer quando o assunto é planejamento financeiro na juventude?

Neste artigo, você vai aprender como fechar as contas no azul no fim de cada mês, mesmo ganhando pouco, para conseguir planejar investimentos de médio e longo prazos. Continue a leitura!

Planejamento financeiro para jovens: como se organizar?

1. Liste todos os seus gastos

O primeiro passo para criar um bom planejamento financeiro é conhecer os seus próprios gastos de forma precisa. Para isso, conte com a ajuda de um caderno ou de um aplicativo de finanças para anotar cada despesa do seu dia.

Ao registrar todas as saídas de dinheiro, divida-as em categorias, como: alimentação, transporte, lazer e estudos. Essa ação será importante para que você consiga identificar as áreas da sua vida em que você está gastando mais dinheiro e que podem ter o desperdício reduzido.

Esse acompanhamento também servirá de base para que você consiga fazer uma previsão de custos para os próximos meses, incentivando metas de melhorias para a sua situação financeira.

Homem desconfiado com a mão no queixo

Com o seu score calculado, você descobre o produto financeiro ideal para você!

Calcule o seu score de forma gratuita, rápida e segura e tenha acesso a centenas de cartões de crédito e outros produtos financeiros.
+ 1.267.543 milhões de pessoas já consultaram

Ao criar uma conta você aceita nossos termos de uso política de privacidade. Aceita também receber notificações por e-mail e SMS, que podem ser canceladas quando quiser.

Também não se esqueça de elencar todos os seus ganhos, seja do estágio, salário, recebimentos por serviços freelance ou daquela ajuda que seus pais dão para ajudar nas contas.

Com simples anotações, você consegue visualizar o caminho que o dinheiro faz quando entra e sai da sua conta. Como resultado, torna-se possível identificar os gastos que podem ser reduzidos ou cortados do seu orçamento.

2. Determine metas

Agora que você já sabe como anda a sua situação financeira, é possível planejar um cenário para o futuro. Comece determinando metas de corte de despesas no curto prazo e, em seguida, estabeleça um objetivo de poupança para os próximos meses e anos.

Suas metas podem começar com a compra do seu primeiro carro ou o início de uma poupança para garantir a sua aposentadoria, por exemplo. O importante é que todos os objetivos sejam alcançáveis e possam ter seu cumprimento acompanhado ao longo do tempo.

Defina também quais são as estratégias e práticas que pretende adotar para atingir esses objetivos. Por exemplo, se você for economizar em alimentação, começar uma poupança ou dar entrada em um financiamento, coloque tudo no papel para que isso ganhe forma.

3. Invista na independência financeira

Se você conta com a ajuda de parentes para garantir parte da sua renda, é necessário começar a trabalhar de forma mais séria para conseguir conquistar a sua independência financeira. Para isso, a sua segurança financeira deve andar lado a lado do seu crescimento profissional.

Investir na carreira é apostar em educação e capacitação. Sendo assim, procure por uma faculdade ou por um curso técnico a fim de aumentar as suas chances no mercado de trabalho. Antes de mais nada, saiba que esse tipo de investimento não deve comprometer o seu orçamento atual.

Uma boa saída é contar com as instituições públicas ou, no caso do ensino privado, buscar bolsas ou financiamento estudantis.

De toda forma, o importante é saber que procurar por qualificação constante não é um custo, e sim um investimento na sua profissão e nos seus rendimentos.

4. Reavalie seus hábitos de consumo

Para que o planejamento financeiro dê certo, é necessário cortar custos, ou seja, não há escapatória. 

Entretanto, isso não significa que é preciso diminuir a sua qualidade de vida, como deixar de fazer programas de lazer. Na verdade, trata-se de conseguir organizar os hábitos de consumo, adquirindo produtos e serviços que realmente estão de acordo com as suas condições.

Comece por pequenos hábitos, como diminuir refeições em restaurantes ou lanchonetes da faculdade, por exemplo. Pode parecer que não, mas isso gera grandes impactos nas suas finanças, afinal, levar comida de casa é muito mais barato. Inclusive, essa pode ser uma boa maneira de conseguir desenvolver dotes culinários.

Outra opção é trocar o uso diário do carro pelo transporte público ou por caronas solidárias. Da mesma forma, procure compartilhar alguns custos comuns entre colegas da mesma idade, como compra do material didático para a faculdade.

Você também pode procurar por alternativas de lazer e entretenimento gratuitas ou de baixo custo na sua cidade, como teatros, cinemas, praças e parques que oferecem programação de qualidade e muito mais em conta do que o preço de uma entrada para o cinema no shopping.

5. Guarde dinheiro para investir

O planejamento financeiro só fará diferença o final do mês se você conseguir pagar todas as suas contas e despesas pessoais e ainda fazer sobrar um pouquinho de dinheiro como reserva.

Essa reserva pode ter destinos claros e factíveis, por exemplo: poupança para momentos de emergência ou investimento para gerar ganhos futuros.

Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, os investimentos não são exclusivos somente para quem tem um alto poder aquisitivo. Afinal, existem muitas alternativas mais baratas e acessíveis.

Um exemplo disso é o famoso consórcio. Nessa modalidade, você faz uma poupança conjunta, ou seja, todos os integrantes contribuem com uma parcela mensal, previamente estipulada no contrato de adesão. Esses valores são destinados a um fundo comum. No final do contrato, após os pagamentos, você consegue obter o seu carro ou imóvel.

A grande vantagem é que o consórcio não exige nenhuma entrada, não conta com juros sobre suas parcelas e é um gasto previsível.

Também é interessante começar a pensar em uma previdência privada, afinal, quanto mais cedo você começar a contribuir, menor será o peso das parcelas nas suas finanças. Além disso, há outras opções que também estão no alcance dos jovens, como a entrada em um grupo de investimento ou a criação de um pequeno negócio.

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado você com esse conteúdo. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

O que é pró-rata e como calculá-lo?

5 dicas para viver com um salário mínimo

5 dicas de como ganhar dinheiro sendo estudante

Cheque: entenda o que é e conheça suas variações

Lei do Superendividamento: saiba como renegociar suas dívidas sem extrapolar seu orçamento

Como se organizar para comprar sua casa própria em 2022

Conta bancária: conheça os principais tipos

Transferência bancária: como funciona a operação?