Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

QR Code estático e QR Code dinâmico: qual é a diferença entre os dois?

Por Camila SilveiraPublicado em

Não é segredo para ninguém que o Pix, sistema de pagamentos do Banco Central, veio para facilitar a vida dos brasileiros, possibilitando o envio e recebimento de dinheiro 24 horas por dia, inclusive em finais de semana e feriado.

De acordo com o Banco Central, em abril de 2021, 253,5 milhões de chaves foram cadastradas, mais de R$ 1,4 trilhão foram movimentados e 51% de todas as transações neste período foram realizadas pelo novo sistema.

Com as chaves Pix, o cliente não precisa compartilhar seus dados pessoais e bancários com outras pessoas, para realizar suas transações e é possível compartilhar um QR Code com outro usuário para receber valores.

O QR Code pode ser gerado diretamente no aplicativo da instituição onde se tem conta e pode ser de dois tipos: estático ou dinâmico. Afinal, qual é a diferença entre os dois e para que serve cada um? Continue a leitura e descubra agora mesmo!

QR Code estático e QR Code dinâmico: qual é a diferença entre os dois?

As duas categorias de QR Code têm o mesmo objetivo: funcionar como uma ferramenta de cobrança.

A única diferença entre as duas opções está no número de transações que podem ser feitas: o QR Code estático pode ser usado para diversos pagamentos de um mesmo valor e o dinâmico vale apenas para uma única transação. Veja detalhes!

QR Code estático

O QR Code estático pode ser usado para várias transações e, de acordo com o Banco Central, permite:

  • Que o recebedor defina um valor fixo para um produto;
  • E também a inserção de um valor pelo pagador.

O QR Code estático, portanto, é uma espécie de etiqueta de preço único. Ele não muda e você pode usar ele para cobrar o mesmo valor de diversas pessoas. O BC diz que ele é mais recomendado para Pessoas Físicas, pequenos varejistas e prestadores de serviços.

QR Code dinâmico

O QR Code dinâmico, por sua vez, é exclusivo para cada transação, ou seja, ele só pode ser usado uma única vez. Para fazer uma segunda cobrança usando um QR Code dinâmico, é necessário gerar um novo pelo aplicativo.

Nessa opção, também é possível incluir outros dados e informações, como a identificação do recebedor.

Por ser exclusiva para cada transação e gerada por um sistema, essa categoria deve ser mais usada em compras online, por e-commerces, ou cobranças mais formais.

Afinal, o que é QR Code?

O termo QR Code vem de Quick Response Code, ou código de resposta rápida. De forma resumida, ele é uma espécie de código de barras de duas dimensões capaz de armazenar muito mais dados do que as etiquetas de produtos que vemos em estabelecimentos físicos.

Além disso, em vez de ser escaneado pelo leitor de preços de um caixa, por exemplo, o QR Code pode ser lido pelas câmeras de smartphones.

Isso faz com que, na prática, o QR Code funcione como um hyperlink: ao apontar a câmera para a imagem, uma função específica do celular é ativada, como abrir determinada página de um navegador.

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado você com esse conteúdo. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Golpes com Pix: instituições financeiras criam seguro para proteger clientes

Pix: ocorre o primeiro vazamento das chaves no país

QR Code estático e QR Code dinâmico: qual é a diferença entre os dois?

Pix: da facilidade nas transações ao crescimento nos golpes e mudança nas regras

Quem é responsável pelos prejuízos causados pelos golpes do Pix?

Pix: novas medidas devem ser implementadas para garantir segurança aos usuários

Pix: bancos têm até dia 4 para limitar transações noturnas a R$ 1 mil

Pix: confira as novas regras e saiba como elas afetam seu bolso