Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Reajuste de aluguel: saiba negociar redução nos contratos

Por Janaína TavaresPublicado em

As crises sanitária e econômica têm atingido praticamente toda a população brasileira, principalmente os profissionais autônomos, MEIs, dentre outros. No entanto, quem precisa pagar aluguel todo mês também pode ser prejudicado por causa dessa situação. Por isso, preparamos algumas dicas para que você possa usar na hora de solicitar o reajuste de aluguel.

Calcule o tamanho do desconto

Em nossa primeira dica, aconselhamos que você reveja as suas finanças pessoais. Isso vai ser fundamental para que você avalie o tamanho do desconto a ser sugerido.

No entanto, não esqueça de ter bom senso neste momento e solicitar um reajuste de aluguel que seja justo tanto para você, como para a imobiliária. Se mesmo assim o desconto ainda não for o suficiente, vale a pena procurar imóveis que estejam de acordo com a sua situação financeira

Use bons argumentos na hora de pedir o desconto

Se você é o tipo de inquilino que sempre pagou o aluguel em dia e nunca causou problemas internos dentro do condomínio, saiba que poderá usar esses argumentos na hora de pedir o reajuste de aluguel.

Dessa forma, o diálogo entre você e o responsável é bem mais saudável para que uma negociação possa ser feita. Explique como está suas finanças e deixe claro que você quer ficar no imóvel, mas que ao mesmo tempo precisa pagar as contas em dia.

Prepare-se para comparar os preços

Por fim, também é possível fazer uma comparação de preços dos aluguéis praticados na sua vizinhança. Assim, quando você for marcar a reunião para negociar, estará mais preparado para argumentar e apresentar uma boa proposta de desconto.

Como os contratos de aluguel funcionam?

Eles são reajustados uma vez por ano pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

No ano passado, ele subiu 7,3%. Hoje, o IGP-M tem uma alta acumulada superior à variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para o mesmo período. Só em 2019, este índice subiu 4,3%.

Portanto, se o valor do seu aluguel é reajustado pelo IGP-M, ele vai subir mais que a inflação do país e, provavelmente, mais do que sua renda mensal.

Isso significa que se você paga R$ 1 mil no aluguel e o valor do seu contrato é reajustado pelo IGP-M, a mensalidade vai subir para R$ 1.073. Porém, se o reajuste for feito pelo IPCA, o valor do preço cai para R$ 1.043. No ano, isso pode resultar numa economia de R$ 360.

Sugestões de conteúdos

Veja outras leituras que recomendamos para você:

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado e lembre-se de colocar em prática todas essas dicas na hora de negociar o reajuste de aluguel com a imobiliária ou dono do imóvel. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Janaína Tavares

Jornalista e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, a Janaína (ou Jana). Como redatora, ama os conteúdos sobre dicas financeiras. Preza pela checagem de todas as informações e o conteúdo perfeito para ela, é aquele que ajuda o leitor a resolver um problema, ensinando e orientando o leitor a tomar a melhor decisão.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

14º salário: entenda como funciona e quem tem direito ao benefício

Auxílio Brasil: como saber se você tem direito ao benefício?

Tudo o que já se sabe sobre o Auxílio Brasil

Auxílio Emergencial: 627 mil pessoas são notificadas para devolver o benefício

Auxílio Emergencial: pagamento liberado para nascidos em abril

Auxílio Emergencial: 650 mil pessoas terão de devolver o benefício

Confira o calendário das novas parcelas do Auxílio Emergencial até outubro

Auxílio Emergencial: saque liberado para trabalhadores nascidos em outubro