Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Saiba o que é custo-benefício

Por Camila SilveiraPublicado em

Com certeza, você já passou por situações em que teve que comparar diversos produtos de um mesmo segmento para, depois, escolher aquele que mais lhe parecia ideal. Essa escolha é o que chamamos de custo-benefício e ele pode variar de acordo com o valor, utilidade, design, entre outros fatores.

Como agentes econômicos, todos nós estamos sujeitos a um leque de opções de produtos e serviços oferecido pelo mercado. No entanto, essas opções possuem uma escassez, que também é conhecida como "trade-off", termo que simboliza o descarte de um produto após a seleção de outro.

Por exemplo: para obter algum bem material, é necessário desfazer-se de outro, que neste caso, seria o capital utilizado na compra. 

O que você procura?

O custo-benefício acontece para Pessoas Físicas e Jurídicas

Da mesma forma que as Pessoas Físicas podem fazer escolhas de caráter pessoal sobre qualquer produto ou serviço, as empresas podem negociar títulos e ações, que sejam do interesse comum entre seus respectivos sócios e investidores.

Exemplos de custo-benefício

Uma escolha é considerada boa no momento em que os benefícios são maiores quando comparados ao custo do produto ou serviço.

Por exemplo: os lucros de uma mesma empresa, com certeza, são maiores quando ela consegue vender ou prestar mais serviços, ao mesmo tempo em que reduz os seus gastos. Deu para compreender?

Nesse caso, o lucro da empresa é chamado de excedente econômico e esse é o maior custo-benefício possível de se obter. 

Relação custo-benefício

Normalmente, as empresas e o governo avaliam uma proposta de projeto e, a partir disso, obtêm um indicador de relação custo-benefício. 

Essa relação é responsável por comparar os custos monetários do projeto e os benefícios que podem ser medidos. Como resultado, aqueles que apresentam maior rentabilidade são realizados.

No entanto, é importante ter cuidado no momento da avaliação, já que pode haver desvantagens, caso a abordagem sistemática e qualitativa não seja feita de maneira conjunta. Tal estudo é mais conhecido como análise do custo-benefício. Ao analisar, é possível saber com clareza quais são os benefícios da proposta. 

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado você com esse conteúdo. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Guia Completo dos Bancos: Tudo o que você Precisa Saber

CDI, SELIC ou IPCA: Conheça os Indexadores dos Investimentos

Bolsa Americana: saiba como Investir no Exterior

Evite Multas: Saiba Declarar Imposto de Renda MEI

É Preciso Incluir Pensão Alimentícia no Imposto de Renda?

Sonegação de Impostos: como Evitar Problemas com a Receita

Conheça 5 opções de Investimentos de alto Retorno para Jovens

Foregon: Como usar a Plataforma para Planejar suas Finanças?