Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Santander foi o banco que mais aumentou taxas de serviços prioritários em 2021

Por Camila SilveiraPublicado em

De acordo com o Procon-SP, o Santander foi o banco que mais aumentou o número de tarifas ligadas a serviços prioritários em 2021 na comparação com o ano de 2020.

O banco aumentou o valor de 25 tarifas e, na sequência, aparecem o Itaú (13 tarifas), a Caixa Econômica Federal (12 tarifas), o Bradesco (10 tarifas) e o Banco do Brasil (1 tarifa).

São exemplos de serviços prioritários: o fornecimento de segunda via de cartão em caso de perda, roubo, furto, danificação e outros motivos que não são de responsabilidade do banco; exclusão do Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF); e emissão de cheque administrativo.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

A pesquisa da entidade ainda aponta que o valor médio cobrado pelas tarifas de serviços prioritários subiu 3,36% no último ano, estando abaixo da referência estadual para a inflação: o IPC-SP, da Fipe, que ficou em 8,51% no mesmo período.

No comparativo feito em maio de 2021, a maior diferença encontrada entre as taxas cobradas pelas instituições chegou a 900% na tarifa para "Compra de moeda estrangeira – cheque viagem", que variou de R$ 25 no Bradesco a R$ 250 no Banco do Brasil.

Pacotes de serviços

O levantamento também comparou os pacotes padronizados de serviços prioritários, que devem ser disponibilizados, obrigatoriamente, por todas as instituições financeiras, conforme determina o Banco Central.

Entre os bancos, a maior diferença identificada foi de 50,48% no pacote padronizado IV: enquanto o do Itaú estava no valor de R$ 46.65, o do Safra estava em R$ 31.

Na comparação entre os valores praticados em 2020 e 2021 pelos seis bancos pesquisados, a maior variação de cobrança pelos pacotes oferecidos foi verificada no pacote padronizado II do Bradesco, que subiu 3,86%, mudando de R$ 22 para R$ 22,85.

Enquanto os bancos Bradesco, Itaú e Santander aumentaram os preços de quatro pacotes padronizados no mesmo período, o Banco do Brasil, a Caixa e o Safra não alteraram os valores, segundo a pesquisa.

"A diferença entre esses pacotes, que se dividem em I, II, III e IV, está na quantidade de serviços oferecidos", e "É dever do banco divulgar informações sobre os pacotes em local visível, inclusive na internet, facilitando a escolha de um pacote adequado às necessidades", afirma o Procon-SP.

O órgão ainda ressalta que a contratação do pacote não é obrigatória, ou seja, os bancos não podem impor isso aos clientes.

Além disso, é de extrema importância que o consumidor verifique se os serviços gratuitos (determinados pelo Banco Central) já são suficientes, para que não seja preciso contratar outro pacote sem necessidade.

Descomplicamos?

Esperamos ter esclarecido todas as suas dúvidas. Caso ainda tenha alguma pergunta, basta comentar logo abaixo. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Inflação do aluguel acumula 33,83% em 12 meses; confira detalhes

Banco Central: dívidas de famílias brasileiras continuam crescendo

PIS/Pasep tem valor acumulado de R$ 22,8 bilhões: veja quem pode sacar

Banco Inter pretende lançar cursos de investimentos para clientes: saiba mais

Cadastro Positivo: quem paga a conta do celular em dia pode ter um aumento no score

Mudança que ameaçava vale-refeição e alimentação sai da reforma tributária do IR

Vagas de emprego: 11 empresas estão contratando

O comportamento financeiro dos brasileiros mudou após a pandemia?