Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Será obrigatório devolver o Auxílio Emergencial em 2021?

Por Janaína TavaresPublicado em

Em 14 de maio desse ano, uma mudança feita pelo senado na lei que criou o Auxílio Emergencial, e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), permite que esse dinheiro se transforme em "empréstimo". Mas, fique tranquilo porque vamos explicar em detalhes como isso vai acontecer.

Veja o que mudou

A mudança que foi feita determina o seguinte:

  • Quem receber ao longo de 2020 mais que o limite de isenção do Imposto de Renda (IR), deverá devolver o valor integral do benefício em 2021. Entra neste caso também os dependentes que receberam o Auxílio Emergencial. No entanto, as parcelas desse recurso não são válidas no cálculo da renda anual.

Vale deixar claro que a regra de pagamento do IR é:

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20
  • Não paga Imposto de Renda somente aqueles que receberam até R$ 28.559,70 no ano inteiro. Além disso, existe uma chance desse valor mudar na declaração do ano que vem, mas ele não é atualizado desde 2015.

Como surgiu essa ideia?

Publicada em 02 de abril, a lei que criou o Auxílio Emergencial excluía qualquer pessoa que tinha recebido mais de R$ 28.559,70 em 2018. No entanto, na época em que estava sendo paga a primeira parcela do benefício, tanto câmara e senado aprovaram um projeto que acabava com esse critério.

Na contramão, nesta mesma época, foi adicionada a obrigação de devolver o auxílio se você terminar este ano com renda acima do limite de isenção do Imposto de Renda.

Em entrevista para o site Uol, o relator do texto final, senador Esperdião Amin (PP-SC), afirmou que existia um acordo com o governo para aprovar as duas alterações. Este acordo teria como finalidade formar um critério mais justo para analisar quem tem direito às parcelas de R$ 600.

Entretanto, como o presidente da república tem o poder de veto, ele manteve o critério que exclui cidadãos por causa da renda de 2018 e sancionou a proposta de devolução do Auxílio Emergencial, apenas para quem se recuperar em 2020.

Quem pode solicitar o Auxílio Emergencial?

  • Microempreendedor individual (MEI);
  • Contribuinte individual da Previdência Social;
  • Trabalhador informal, de qualquer natureza;
  • A renda familiar mensal por pessoa não pode ultrapassar meio salário mínimo (R$ 522,50);
  • A renda familiar total precisa ser de até 3 salários mínimos (R$ 3.135);
  • Você não pode ter recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018 ;
  • Você não pode estar recebendo benefício previdenciário ou assistencial, seguro desemprego ou qualquer programa de transferência de renda federal, com exceção do Bolsa Família.

Sugestões de leitura

Aproveite este momento para ler alguns conteúdos relacionados:

Descomplicamos?

Qualquer dúvida que tiver a respeito desse assunto, não deixe de perguntar pra gente. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Janaína Tavares

Jornalista e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, a Janaína (ou Jana). Como redatora, ama os conteúdos sobre dicas financeiras. Preza pela checagem de todas as informações e o conteúdo perfeito para ela, é aquele que ajuda o leitor a resolver um problema, ensinando e orientando o leitor a tomar a melhor decisão.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

SP Acolhe: saiba tudo sobre o auxílio de R$ 300 e veja como se inscrever

Governo de SP inicia pagamentos do ‘Vale Gás’ e ‘SP Acolhe’. Veja como sacar

Prorrogação do Auxílio Emergencial 2021: o que mudará?

Pagamento da 4ª parcela do Auxílio Emergencial é antecipado: veja as datas

Confirmado: governo anuncia prorrogação do Auxílio Emergencial até outubro de 2021

Terapia popular: opções gratuitas que promovem saúde mental e financeira

Governo de SP pagará auxílio de R$ 300 a parentes de vítimas do Covid-19

Crise financeira: Caixa anuncia redução das parcelas de financiamento habitacional